quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Tanzania apadrinha Estádio do Zimpeto


UMA partida de futebol envolvendo as selecções de Moçambique e da Tanzania constitui o prato principal da cerimónia de inauguração do Estádio Nacional do Zimpeto, marcada para o dia 11 de Dezembro, com a presença de altos dignitários nacionais e convidados estrangeiros, para além de uma forte participação de destacados desportistas moçambicanos.



O convite para a vinda da selecção tanzaniana já foi formalmente efectuado pela Federação Moçambicana de Futebol à sua congénere daquele país, depois de o Ministério da Juventude e Desportos, proprietário do estádio, e a FMF terem definitivamente concordado com o nome da Tanzania para apadrinhar o recinto, que se espera envolta numa festa à altura da própria ocasião.

A inauguração daquele importante empreendimento, que vem sendo preparada ao pormenor, será o epílogo de uma grande expectativa que ao longo dos últimos dois anos vem sendo alimentada no seio dos moçambicanos, ávidos de ver erguida a primeira obra desportiva de grande engenharia no período pós-independência.

Com capacidade para albergar 42 mil espectadores, o Estádio Nacional do Zimpeto é uma obra do Governo moçambicano, contando com o apoio da República Popular da China. Para além, especificamente, do campo de futebol com relva natural, conta com uma pista sintética de atletismo, daí que a cerimónia de inauguração contemplará também provas desta modalidade.

Finalizado o estádio, abrir-se-ão, de par em par, as portas conducentes a uma boa organização dos Jogos Africanos de Maputo-2011, tendo em conta que o local será o ponto principal do evento. É que, à parte os torneios de futebol e de atletismo, existirão à volta a vila olímpica, concebida para o alojamento dos atletas, piscina olímpica, “courts” de ténis e outros recintos destinados aos treinos.

QUALIFICAÇÃO PARA CAN-2012 - "Mambas" em Nairobi a pensarem nas Comores


MART Nooij escolheu Nairobi, capital do Quénia, para o estágio dos “Mambas” com vista ao jogo com as Comores da segunda jornada da primeira volta do Grupo C de qualificação para o CAN-2012, cuja fase final será simultaneamente no Gabão e Guiné-Equatorial.



Contrariamente ao que tem sido habitual, todos os convocados - “estrangeiros” e os que jogam internamente no Moçambola -, vão concentrar-se em Nairobi, no dia 4 de Outubro, onde arrancarão com os trabalhos preparatórios do encontro com as Comores.

O estágio na capital queniana só termina no dia 7, data de partida para o local onde o encontro terá lugar, portanto nas Comores, para prosseguir com a preparação, mas na sua fase terminal, uma vez que a equipa técnica já estará, nessas alturas, a conjunturar os sistemas de jogo a utilizar contra este que é considerado o adversário mais fraco do grupo, que ainda conta com a Líbia e a Zâmbia, que jogam entre si, em Tripoli, no mesmo fim-de-semana de 9/10 de Outubro.

A lista dos convocados será, segundo o secretário-geral da Federação Moçambicana de Futebol, Filipe Johane, divulgada na próxima sexta-feira, dia 1, data que regressa Mart Nooij da Holanda, onde esteve nos últimos dias a tratar de questões de interesse pessoal.

Entretanto, para este estágio, ainda de acordo com Johane, a Federação Moçambicana de Futebol conta com o apoio da Embaixada de Moçambique no Quénia, principalmente para questões logísticas.

Aliás, recentemente deslocou-se à Nairobi o adjunto de Mart, Mano-Mano, para verificar as condições técnicas do campo sintético, pois nas Comores, os “Mambas” vão jogar num piso artificial. Enquanto isso, o outro auxiliar, João Chissano, viajava para o local do jogo também com o mesmo propósito.

Os “Mambas” têm a obrigação de ganhar este jogo já que o adversário é dos mais frágeis do grupo, tendo inclusivamente sido goleado em Lusaka, na abertura, pela Zâmbia, por 4-0, no mesmo dia que Moçambique empatava, em pleno Estádio da Machava, com a Líbia sem abertura de contagem.


JOGOS DA 2ª JORNADA




GRUPO A: Mali-Libéria e Zimbabwe-Cabo Verde

GRUPO B: Guiné-Nigéria e Madagáscar-Etiópia

GRUPO C: Comores-MOÇAMBIQUE e Líbia-Zâmbia

GRUPO D: Tanzania-Marrocos e República Centro – Africano-Argélia

GRUPO E
: Senegal-Maurícias e e Camarões-RD Congo

GRUPO F
: Burkina Faso-Gâmbia e Namíbia-Mauritânea

GRUPO G
: Níger-Egipto e Serra Leoa-África do Sul

GRUPO H
: Ruanda-Benin e Burundi-Costa do Marfim

GRUPO I
: Congo-Suazilândia e Gana-Sudão

GRUPO J
: Quenia-Uganda e Angola-Guiné–Bissau

GRUPO K
: Malawi-Chade e Togo-Tunísia

Moçambique em segundo no regional de judo


A SELECÇÃO Nacional de Judo ocupou a segunda posição no Campeonato Regional da modalidade, realizado fim-de-semana, na África do Sul. A equipa moçambicana foi representada por alguns dos melhores judocas nacionais, nomeadamente Edson Madeira, Bruno Luzia, Armando Zefanias e Marvin Mala, tendo todos conquistado medalhas, numa prova inteiramente dominada pelos anfitriões.



Edson Madeira, da categoria de menos 73 quilos, foi quem teve a melhor prestação, ao arrebatar uma medalha de prata. No entanto, nem tudo correu às mil maravilhas para o judoca, que se lesionou na final, uma contrariedade que lhe impediu de participar no Torneio “SA Championship”, uma competição que contava para a classificação no “ranking” de África.

Bruno Luzia, Armando Zefanias e Marvin Mala conquistaram medalhas de bronze
.

Ao todo, Moçambique conquistou quatro medalhas, atrás da África do Sul, que alcançou a primeira posição em todos os escalões. O terceiro lugar foi ocupado por Angola, com duas medalhas de bronze.

Participaram na competição nove países, a saber: Moçambique, África do Sul, Angola, Suazilândia, Tanzania, Namíbia, Maurícias, Zimbabwe e Zâmbia.

Fonte:Jornal Noticias

FUTSAL–CAMPEONATO DA CIDADE - Luta pelo título ao rubro


LIGA Muçulmana e Desportivo estão a protagonizar uma luta acesa pelo título de campeão da cidade de futsal. Quando faltam quatro jornadas, continuam separados por apenas um ponto, à maior para os “muçulmanos”, que passaram a somar 19 pontos, após vitória convincente sobre Maxaquene por 9-1, em partida da oitava jornada.



Mas não se pode dar por tranquilo, porque o Desportivo também deu mostras de que está a atravessar um bom momento, com um triunfo folgado frente à UP por 6-0.

Ao obterem estas goleadas, ambos deixaram bem vincado que o título deverá ser decidido quando se cruzarem, já na sexta-feira, se se atender que nenhum outro adversário parece reunir argumentos para tirar pontos a estes “colossos”.

De referir que nesta ronda registou-se uma surpresa, com Estrela Vermelha a golear Al Mahid por 5-2, depois deste ter cometido a proeza de arrancar um empate a duas bolas com a Liga.

Fonte:Jornal Noticias

Nova direcção "canarinha" desafia crise de resultados


A NOVA direcção de Clube de Desportos da Costa do Sol reiterou segunda-feira, durante a tomada de posse dos seus membros, que vai desafiar a crise de resultados que afastou o Costa do Sol da corrida aos títulos das principais provas futebolísticas, nomeadamente Moçambola e Taça de Moçambique da presente época.



O elenco eleito a 18 de Setembro corrente, liderado pelo engenheiro Augusto de Sousa Fernando, reforçou ainda o desejo de relançar modalidades como basquetebol, atletismo e natação com o objectivo de trazer mais títulos à colectividade, para além da reorganização da área de formação tendo como finalidade criar uma forte base de sustentabilidade à equipa principal de futebol.

A prospecção de talentos, a nível nacional, através da criação de uma equipa de olheiros é outro desafio assumido pela nova direcção que, durante o seu mandato (quatro anos), promete dois títulos nas principais provas.

Falando na tomada de posse, o novo presidente “canarinho” realçou que a principal missão é elevar mais o Costa do Sol e trazer os títulos que foram dimensionados ao longo dos 27 anos que a direcção cessante orientou os destinos do clube.

Nesta missão contamos com a direcção cessante e com a massa associativa, que é muito vasta. Ela deve entender que ainda temos muito que aprender”, anotou.

O presidente da mesa da assembleia-geral, Manuel Cuambe, destacou que o Costa do Sol, sendo um dos grandes clubes a nível nacional, tem uma grande missão no desenvolvimento desportivo do país nas diversas modalidades.

A nossa principal missão é prosseguir com a acção desportiva e trazer mais títulos. Somos um clube que movimenta 800 atletas desde os escalões de formação até aos seniores que, durante 27 anos, conquistou vários títulos. Devemos saudar pessoas como José Neves e Rui Tadeu que, entre outros membros da anterior direcção, deram o seu máximo. Portanto, este é o mesmo desafio que é lançado para esta nova direcção, que é de trazer mais vitórias e taças”, elucidou.

Fonte:Jornal Noticias

VOLEIBOL-TAÇA MAPUTO - Maputo Jet’s assume comando


MAPUTO Jet’s, em seniores masculinos, assumiu a liderança da Taça da Cidade de Maputo ao vencer, no pretérito fim-de-semana, a mCel, por 3-2, em desafio da sexta jornada.



O conjunto da Jet’s passou a somar 12 pontos, mais um que a Académica que ficou de fora devido ao número ]impar de equipas.

A vitória do novo líder não foi fácil visto que superou a mCel depois de cinco set’s. Começaram por vencer os dois primeiros (25-23 e 25-22) mas viram a sua vida complicada quando o adversário venceu os seguintes (25-23 e 35-33). Teve que se recorrer ao “set” de desempate, tendo a turma de Maputo Jet’s ganho (15-13).

Noutro embate, em masculinos, Académica B venceu BM por falta de comparência, enquanto Mahotas foi derrotado pelo Hotso, por 1-3 (25/21-22/25-24/26-21/25)
.

Em femininos, GRAAL bateu Hotso, por 3-0 (25/17-25/12-25/8), mas não conseguiu encurtar a desvantagem em relação à Académica, primeira classificada, que também logrou vencer nesta ronda, desta feita Maputo Jet?s, por 3-0 (25/18-25/22-25/14).

Académica ocupa a primeira posição com 15 pontos, seguido da GRAAL com nove.


Fonte:Jornal Noticias

Paíto no empate do Neuxatel Xamax


O internacional moçambicano, Paíto, foi titular, segunda-feira, no empate a uma bola entre o Neuxatel Xamax e o Grasshopper Club Zürich, em desafio inserido na décima jornada da “Aspo Super League”, campeonato suíço de futebol. Nesta partida, disputada no “Stade de la Maladière”, recinto com capacidade para 3 279 espectadores, o Neuxatel Xamax adiantou-se no marcador aos 13 minutos por intermédio de Geiger Bastien.

Na segunda parte, ou seja, aos 59 minutos, o Grasshopper Club Zürich chegou ao golo de empate apontado por Emeghara Innocent. Com este empate, o Neuxatel Xamax “pulou” da última para a penúltima posição em troca com o Sainty Gall, ora com oito pontos. Na próxima jornada, agendada para o dia 2 de Outubro, o Neuxatel Xamax terá pela frente o FC Thoune. Paíto já havia sido primeira escolha no passado dia 23 de Setembro no embate entre o Neuxatel Xamax e o Sion (sua ex-equipa), num desafio que terminou com a vitória da segunda formação por 2-1.




Outras paragens

Por seu turno, Simão Mathe, jogador do Panathinaikos, entrou aos 74 minutos no jogo do passado sábado, dia 25 de Setembro, na vitória da sua equipa sobre o Panionios por duas bolas a uma em desafio da quarta jornada do Campeonato da Grécia de futebol havido no Estádio Oaka Spiridon Louis.

Sotirios Ninis, aos 44 minutos, e Kostas Katsouranis, aos 62 minutos, foram os autores dos golos do “Pana”, enquanto Kumordz (minuto 90) marcou o tento dos visitantes.

Fonte:O Pais

Maputo acolhe fase preliminar da Taça dos Campeões Africanos


Maputo voltará a ser, em Outubro próximo, o epicentro de basquetebol na África Austral, mais concretamente a Zona VI. A “Catedral” do basquetebol nacional, o pavilhão do Maxaquene, vai acolher por mais uma vez, um “africano” de clubes em seniores masculinos e femininos.

Mais uma vez, a concórdia (entre os agentes da bola ao cesto) e a criação de condições condignas de preparação é a tónica dominante, quando se pretende acolher uma prova na tentativa de apurar as equipas representativas de Moçambique, numa fase final da Taça dos Clubes Campeões Africanos de Basquetebol, já que se qualificam os primeiros dois classificados. Chegam notícias de alguma unanimidade em torno dos valores a serem desembolsados pelas equipas participantes, sendo o Maxaquene e o Ferroviário da Beira, em masculinos.

O Desportivo de Maputo e o Ferroviário de Maputo em seniores femininos. Com a A Politécnica à espreita, o Desportivo de Maputo ainda se desdobra à procura de um fundo capaz de cobrir não só a sua presença na fase de apuramento, mas também a sua presença à fase final. Pois, só garantida a capacidade financeira de tomar parte nas duas etapas é que vai dar o seu sim, ou abdicar de participar. Aí é que poderá entrar em cena a A Politécnica, que no seu calendário internacional, também tem os olhos postos nas Universíadas Mundiais a terem lugar na China.

Detalhes por acertar

Os detalhes para o acolhimento desta prova já aprovada e oficializada pela FIBA –África entre os dias 16 e 23 de Outubro são questões para aprofundar em mais encontros entre a Federação Moçambicana de Basquetebol e os quatro clubes que têm o direito de tomar parte na prova, na qual poderão estar presentes as equipas representativas de Angola, África do Sul, Zâmbia e Zimbabwe.

Fonte:O Pais

Novo elenco directivo do Costa do Sol toma posse


Perante Manuel Cuambe, presidente da mesa da Assembleia-geral, Inácio Bernardo, director Nacional dos Desportos, sócios e simpatizantes.

...para tal, contamos com a colaboração dos membros da direcção cessante, dos sócios e de todos os simpatizantes do clube

O elenco directivo do Clube de Desportos do Costa do Sol tomou posse, ontem, para o quadriénio 2010-1014. A direcção actualmente presidida por Augusto Fernandes diz que se trata de um momento histórico do clube, mas também o começo de grandes desafios.

Depois de vinte e sete anos sob a presidência de José Neves, o Clube de Desportos da Costa do Sol passou, desde última segunda-feira, a ser dirigido por um novo elenco, encabeçado por Augusto Fernandes.

Perante Manuel Cuambe, presidente da mesa da Assembleia-geral, Inácio Bernardo, director Nacional dos Desportos, sócios e simpatizantes, Augusto Fernandes e o seu elenco comprometeram-se a levar a bom porto os destinos do clube canarinho.

É, sim, um momento muito importante para o Costa do Sol, mas este momento significa também um grande desafio, porque é nosso objectivo conquistar mais títulos, taças e medalhas para esta casa de todos nós. Mas, para tal, contamos com a colaboração dos membros da direcção cessante, dos sócios e de todos os simpatizantes do clube”, disse o novo presidente.

Segundo alguns membros ora empossados na cerimónia, o papel deste novo corpo directivo passa necessariamente por traçar estratégias técnicas e administrativas, com principal enfoque para a equipa sénior de futebol, que actualmente não está a atravessar bons momentos, uma vez que não conquista títulos há três épocas, no sentido de elevar o nome dos “canarinhos” em diferentes modalidades e escalões do panorama desportivo.

Fonte:O Pais

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Seleccionados do torneio “Sprite Slam”: Três basquetebolistas nacionais nos EUA


TRÊS jovens moçambicanos a serem escolhidos no Torneio de Basquetebol “Sprite Slam”, que decorre em alguns bairros da cidade do Maputo e um pouco por todo o país, vão integrar a equipa das estrelas africanas, que se desloca dentro em breve aos EUA, para desenvolverem as suas aptidões no campo de treinos da NBA.



Para o efeito, foi criada uma equipa de técnicos da modalidade para seleccionarem os melhores, dentre os quais sairão, na fase final do evento a ter lugar em Maputo, os três que seguirão para os EUA, em princípio por uma semana, estando a empresa promotora, juntamente com a Federação Moçambicana de Basquetebol (FMB) e o Ministério da Juventude e Desportos, em contacto com a Embaixada Americana para tratar de questões migratórias.


O trabalho de selecção vai contar com a ex-estrela norte-americana de básquete Horace Grant, que chega ao país nos princípios do próximo mês.

Horace Grant, durante a sua estada em Moçambique, vai manter alguns contactos com a família do basquetebol nacional, principalmente com os técnicos, uma iniciativa visando a actualização das normas da modalidade, uma vez que o ex-atleta norte-americano acumula uma experiência em várias áreas ligadas à “bola ao cesto”.

Os torneios do “Sprite Slam” são uma iniciativa da Coca-Cola para as zonas Este e Centro do continente Africano com o objectivo de envolver adolescentes e jovens que já desenvolveram uma paixão pelo basquetebol e permiti-los que expressem as suas qualidades individuais e ainda promover estilos de vida mais saudáveis entre as camadas jovens, fomentando conhecimentos sobre a importância da actividade física.

BASQUETEBOL–LIGA NACIONAL VODACOM - Efervescência na capital




NOITES de autêntica efervescência basquetebolística são aguardadas este fim-de-semana na capital do país, no início da etapa complementar da Liga Nacional Vodacom em Seniores Masculinos. Trata-se do começo da segunda volta da fase regular e aquela que, definitivamente, nos dará a conhecer os apurados para as meias-finais, ou seja, dos “play-off”.

E melhor cardápio não seria servido aos amantes da bola-ao-cesto que não fosse o frente-a-frente entre as quatro formações maputenses, com destaque para o facto de o campeão, Maxaquene, enfrentar, consecutivamente, amanhã e no domingo, os seus grandes rivais Desportivo e Ferroviário, na tenaz discussão pelo comando da prova.



A primeira volta conheceu, no pretérito fim-de-semana, desfecho que acabou sendo um verdadeiro volte-face superiormente protagonizado pelos “locomotivas”. É que, tendo essa etapa sido globalmente dominada pelo “alvi-negros”, com a sua jovem equipa e altamente competitiva a oferecer partidas empolgantes, na derradeira jornada, a turma de Carlos Ferro virou tudo de avesso, não somente ganhando (81-77) ao então líder invicto como também logrando a ascensão ao primeiro posto.

Aliás, apesar de se deleitarem com as excelentes exibições da sua equipa e, sobretudo, com a sua carreira vitoriosa – claro, antes da jornada passada – o receio dos adeptos do Desportivo sempre foi este: conseguiremos manter o mesmo nível de actuações e de facto chegar ao título nacional que foge ao clube há muitos anos?

Isto porque a experiência das temporadas anteriores tem sido amarga, pois os “alvi-negros” normalmente começam bem, mas, no momento da verdade, baqueiam redondamente. E a derrota face ao Ferroviário, mesmo não significando rigorosamente nada em relação às suas aspirações, não deixa de ser inquietante, trazendo ao de cima o espectro do falhanço.

Já os “locomotivas” conseguiram se equilibrar e, acima de tudo, avivar as suas expectativas quanto ao regresso ao trono. É verdade que o seu percurso no Campeonato da Cidade foi caracterizado por uma palidez que poderia ter levado os seus aficionados a temerem o pior, porém, na presente Liga Nacional de Basquetebol Vodacom a equipa se transfigurou e colocou a sua fasquia de exibições num nível muito alto, culminando com aquele preciosíssimo triunfo sobre os “alvi-negros”, após prolongamento. Evidentemente que ainda não é tempo de embandeirar em arco, mas as indicações dadas são extraordinárias.


CAMPEÃO PRESSIONADO




Outro conjunto que foi obrigado a transcender-se é o Maxaquene. Se a derrota na estreia da prova, diante do eterno rival Desportivo, foi perfeitamente compreensível, até porque os pupilos de Horácio Martins não haviam poupado os seus vizinhos na renhida luta pelo título da capital do país, já o revés sofrido em Quelimane, diante do estreante Sporting/Soprotecção, caiu muito mal nas hostes “tricolores”.

Pressionados devido ao grande investimento efectuado na equipa, que incluiu o regresso do técnico espanhol Joseba Garcia e a contratação de dois jogadores da pátria da bola-ao-cesto, os campeões nacionais encetaram uma mudança radical que se espera mais consistente no decurso da segunda volta e, sobretudo, quando este fim-de-semana a equipa for colocada à prova perante os outros candidatos ao título.

Noutro patamar do campeonato, Ferroviário da Beira e Costa do Sol, à semelhança do ano passado, mantêm uma acesa discussão pela quarta vaga que dá acesso aos “play-off”. Neste momento, a formação do Chiveve leva um ponto de vantagem (11-10), mercê da sua vitória no confronto entre ambos, na capital sofalense. Mas, como se pode ver, trata-se de uma guerra ainda sem perspectivas de vencedor, apesar de a equipa de José Delfino se apresentar em melhores condições de passar à fase seguinte.

Mas a grande surpresa da competição tem sido o Sporting/Soprotecção. Paralelamente à espectacular vitória sobre o Maxaquene, os quelimanenses primam pela regularidade, ganhando naturalmente ao Matolinhas e ao Desportivo da Beira e conseguindo exibições de bom nível frente aos “colossos”. Trata-se de um time com bastante futuro, pena é que a competição é praticamente inexistente na Zambézia.

Matolinhas e Desportivo da Beira vão assumindo o seu papel de figurantes, mas, entre os dois, o destaque poderá ser creditado aos representantes da província do Maputo que, apesar de estreantes, mostram alguma evolução, contrastando com os beirenses, nada novos nesta competição
.

Entretanto, em relação à oitava e nona jornadas, esta noite, a partir das 20.00 horas, no pavilhão dos “tricolores”, realiza-se o embate entre os últimos classificados, Matolinhas e Desportivo da Beira. Os destaques estão reservados para amanhã e domingo, quando Maxaquene defrontar Desportivo e Ferroviário, respectivamente, em paralelo aos confrontos que Costa do Sol travará com “locomotivas” e “alvi-negros”. Por seu turno, Ferroviário da Beira joga em Quelimane e depois vem enfrentar Matolinhas.

Disciplinarmente, há a referir o castigo por um jogo aplicado ao “alvi-negro” Helmano Nhatitima e ao “locomotiva” Edson Monjane, pelos factos verificados no desafio entre as suas equipas, na ronda passada.

JOGOS AFRICANOS DE MAPUTO-2011 - Moçambique pede apoio técnico a Angola


MOÇAMBIQUE solicitou ontem, formalmente, apoio técnico e organizacional à República de Angola para a preparação e realização dos X Jogos Africanos, que terão lugar na cidade de maputo, entre os dias 3 e 18 de Setembro do próximo ano.



O pedido foi feito pelo Ministro das Finanças, Manuel Chang, na abertura dos trabalhos da VIII Sessão da Comissão Mista de Cooperação Bilateral entre os dois países, que teve início ontem na capital moçambicana.

O pedido de Manuel Chang, que encabeça a delegação moçambicana nesta sessão, foi dirigido à Ministra angolana do Planeamento, Ana Dias Lourenço, que respondeu positivamente à solicitação.

Queremos, uma vez mais, solicitar apoio técnico e organizacional para os Jogos Africanos de 2011, uma vez Angola que está dotada de experiência em acolher acontecimentos desta envergadura”, disse Chang, numa clara alusão ao CAN-2010, que teve lugar em Janeiro último naquele país.

DEBATE NA BEIRA



Depois de o Primeiro-Ministro, Aires Ali, ter na quarta-feira se reunido com os jornalistas desportivos da capital do país para uma auscultação sobre a sua sensibilidade em relação aos X Jogos Africanos de Maputo-2011, o debate estende-se hoje à cidade da Beira, onde o Comité Organizador (COJA) programou um encontro com a Comunicação Social local, a ter lugar na sede do Sindicato Nacional dos Jornalistas, a partir das 18.00 horas.

Trata-se de uma oportunidade que o COJA considera soberana para efectuar a divulgação do evento, a partir de um alvo (jornalistas) com uma grande preponderância para diariamente manter informados os moçambicanos sobre o desenrolar do processo de preparação e organização da Olimpíada continental
.

Aliás, na reunião com o Primeiro-Ministro, o denominador comum nas diferentes intervenções teve a ver justamente com a fraca divulgação do evento, tanto em Maputo, cidade que acolherá os Jogos, como noutras províncias, daí ter-se recomendado para a urgência de acções de grande impacto em todo o país.

Deste modo, e paralelamente ao grande movimento desportivo que caracterizará o Chiveve este fim-de-semana, com a efectivação do I Festival Nacional dos Jogos Tradicionais, o Comité Organizador dos Jogos Africanos entendeu, e bem, promover este encontro com jornalistas beirenses de todas as áreas, de forma a municiá-los de tudo quanto está a acontecer em redor da preparação do certame
.

Enquanto isso, na próxima quinta-feira, dia 30, o COJA fará a divulgação dos Jogos Africanos entre os jovens reunidos no II Conselho Nacional da Aro Moçambique.

Ajudou o 1º de Maio a vencer Águias Especiais: Veia goleadora de Tonecas intacta aos 45 anos

ANTÓNIO Fidalgo, ou simplesmente Tonecas, ex-atacante do Costa do Sol e do Ferroviário do Maputo, retirado dos campos de futebol há mais de uma década e hoje a desempenhar as funções de vice-presidente do 1º de Maio, mostrou que a sua veia goleadora mantém-se intacta aos 45 anos de idade.



O nosso matutino teve a possibilidade de testemunhar o facto na tarde da quarta-feira última, no campo do Estrela Vermelha, onde o 1º de Maio derrotou o Águias Especiais, por 2-1, para o Torneio 25 de Setembro, tendo Tonecas apontado o primeiro golo da sua equipa, numa altura em que o jogo estava empatado sem abertura de contagem.

O dirigente do 1º de Maio começou o jogo no banco e foi lançado no início da segunda metade e só jogou 17 minutos, suficientes, porém, para provar que quem sabe sabe e dificilmente se esquece, já que ao 10º já estava a partir a loiça, num lance em que o grande poder de posicionamento na área foi o principal pormenor a destacar
.

Com efeito, no lance há primeiro um remate de um colega que sobra para Tonecas que, apesar de estar desequilibrado conseguiu desferir um tiro bem colocado que o keeper das Águias Especiais viu-se impotente para defender, para júbilo do público que assistia à partida.

Foi uma lição que os nossos craques deviam ter assistido, pois Tonecas provou que, apesar da idade, ainda sabe fazer o que muitos jovens que actuam no Moçambola não conseguem e com um pouco de preparação física a sua surpreendente aparição podia ter sido mais duradoira e ainda brilhante.

De referir que o Torneio 25 de Setembro termina hoje, sexta-feira, no campo do Estrela Vermelha, sendo que o primeiro jogo colocará frente-a-frente Liga Pesquisa e Águias Especiais, para, às 15.00 horas, o 1º de Maio defrontar o Matchedje.

Se razões profissionais não chocarem com o programa, Tonecas poderá marcar nova aparição hoje, no desfecho do evento
.

Anulado castigo a Queiroz


O CONSELHO de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol decidiu anular o castigo de um mês de suspensão e multa de mil euros aplicados pelo Conselho de Disciplina do mesmo organismo a Carlos Queiroz.



O CJ entendeu que o antigo seleccionador nacional não podia ser castigado pelos artigos que lhe foram aplicados, sob pena de “violação do princípio de tipicidade”.

Foi dada razão à defesa do técnico, para quem “o ilícito disciplinar em causa visa proteger todos aqueles que pertencem, de alguma forma, ao universo da Federação Portuguesa de Futebol, e não quaisquer terceiros alheios a essas realidades”.
O CJ analisou depois uma eventual convolação do processo, ou seja, o enquadramento noutro ilícito disciplinar.

Foi então entendido que o seleccionador “violou, de forma grosseira e irresponsável, os mais elementares deveres de ordem disciplinar, ética e desportiva, que lhe estavam impostos pelo Regulamento das Selecções Nacionais” (nº 1 do artigo 103º do Regulamento Disciplinar), com pena prevista entre um e três meses de suspensão, e multa de 150 a 450 euros (artigo 102º).

No entanto, e por se tratar de uma infracção disciplinar leve, o caso prescreve um mês após a ocorrência dos factos. O incidente verificou-se a 16 de Maio de 2010 e o processo disciplinar só foi instaurado a 23 de Julho, pelo que Carlos Queiroz não sofre qualquer castigo.

Togo suspende treinador por jogo com selecção fictícia


O TREINADOR togolês, Bana Tchanilé, foi suspenso por três anos de actividades ligadas ao futebol por ter levado a Bahrein uma falsa selecção nacional para um jogo amigável, anunciou esta semana o comité interino da Federação Togolesa de Futebol (FTF).



Antigo treinador da equipa nacional, Bana Tchanilé dirigiu a falsa selecção nacional durante um jogo amigável ganho pelo Bahrein, por 3-0, a 7 de Setembro corrente, sem informar a FTF.

Num comunicado divulgado em Lomé, o comité interino da FTF indicou que a iniciativa deste jogo foi tomada por Bana Tchanilé, que garantiu a sua organização, preparação e acompanhamento sem o acordo da instância reitora do futebol nacional
.

O comité precisou que “investigações estão em curso para apurar todas as responsabilidades e sancionar todos os que estiveram implicados neste caso que mancha ainda mais a imagem do futebol togolês”.

Em Julho último, Bana Tchanilé já havia levado uma equipa do seu centro de formação ao Cairo, no Egipto, onde disputou com as cores nacionais uma competição internacional sem o aval da Federação Togolesa de Futebol

Mambas defrontam Tanzania na inauguração do Estádio Nacional de Zimpeto


(...) este é, igualmente, um gesto de retribuição ao convite endereçado pelos tanzanianos aos Mambas para inauguração do seu estádio nacional
Os Mambas vão defrontar, no próximo dia 11 de Dezembro, a sua similar da Tanzania, em jogo amigável no âmbito da inauguração do Estádio Nacional de Zimpeto, localizado nos arredores de Maputo, confirmou ao “O País” António Chambal, vice-presidente da Federação Moçambicana de Futebol (FMF) para Área das Selecções Nacionais.

Trata-se, de resto, de um país com o qual Moçambique tem laços históricos. Mas este é, igualmente, um gesto de retribuição ao convite endereçado pelos tanzanianos aos Mambas para inauguração do seu estádio nacional. Neste encontro, porém, os Mambas não vão contar com os jogadores que evoluem no estrangeiro, até porque, nessa altura, os seus campeonatos estarão a decorrer e os clubes não são obrigados a dispensar os seus jogadores, porque o jogo não está inserido numa data-FIFA.

Mesmo sabendo que não e possível estarem todos os profissionais, vamos convidá-los a participarem deste encontro. Por outro lado, contamos com os jogadores que actuam no Moçambola, já que estes estarão no período de defeso”, disse Chambal.

Procura-se finalistas da Taça de Moçambique


Meias-finais disputam-se domingo em Maputo e Lichinga.
Maxaquene defronta o Textáfrica de Chimoio, no seu reduto, enquanto o FC Lichinga terá pela frente o Vilankulo FC. O que é certo é que a final será inédita!


Uma coisa é certa: a final da edição 2010 da Taça de Moçambique/mcel será inédita. Com o afastamento dos históricos e eternos candidatos à conquista da prova (Costa do Sol, clube que já conquistou o certame 11 vezes; Ferroviário de Maputo, arrecadou o troféu oito vezes, e Desportivo) apenas o Maxaquene sobreviveu a “febre” dos tomba-gigantes.

E, este domingo, o Maxaquene terá pela frente o Textáfrica de Chimoio, numa partida em que os donos da casa vão procurar vencer de modo a manter o sonho de conquistar o seu oitavo troféu. Os “tricolores”, actuais terceiros classificados do Moçambola-2010, defrontam um conjunto que faz, nesta altura, contas à vida no Moçambola-2010, visto que ocupa o décimo primeiro lugar, e ainda não assegurou a manutenção. O Textáfrica de Chimoio, que na ronda passada afastou o Costa do Sol, promete fazer vida “negra” ao Maxaquene, pelo que este conjunto parte para o embate com a lição bem estudada.

No Estádio Municipal, em Lichinga, o FC de Lichinga recebe o Vilankulo FC.

Trata-se de uma partida entre dois conjuntos que querem marcar presença na final pela primeira vez.

Segunda volta começa com jogos a doer em três cidades


Arranca esta sexta-feira a segunda volta da III Edição da Liga Nacional de Basquetebol sénior masculino Vodacom-2010, com o pavilhão do Maxaquene a acolher a partida entre as equipas do Matolinhas e Desportivo da Beira, com início às 20h00.

Para completar esta oitava ronda, amanhã, o Ferroviário defronta o Costa do Sol; Maxaquene e Desportivo de Maputo jogam entre si e Sporting Soprotecção de Quelimane mede forças com o Ferroviário da Beira.

E, como sempre, a nona jornada, que faz dupla com a oitava, terá lugar no domingo, sendo as cidades de Maputo e Quelimane as sedes dos jogos. Na capital moçambicana, jogam sucessivamente o Costa do Sol vs Desportivo; Ferroviário de Maputo vs Maxaqune e Matolinhas vs Ferroviário da Beira. Em Quelimane, no pavilhão do Favezal, o Sporting Soprotecção recebe o Desportivo da Beira.

O Ferroviário de Maputo é o líder e campeão da primeira volta da fase regular com 13 pontos.

As três primeiras posições dos grandes candidatos, designadamente, o Ferroviário de Maputo, Desportivo de Maputo e Maxaquene, que formam o triunvirato sobre o qual recaem as maiores atenções da disputadíssima Liga Nacional de Basquetebol Vodacom, praticamente já deixaram de constituir ponto de referência nas sucessivas jornadas desta prova.

Isto porque outros concorrentes também assumem o protagonismo e vão mostrando que não estão no campeonato como meros figurantes.

Do Chiveve, veio a chamada de atenção para o respeito que se exige aos seus representantes, com particular realce para os “locomotivas” que, em partidas empolgantes, já deixaram tombar algumas equipas da capital e, neste momento, defendem o título de vice-campeões nacionais. O desaparecimento de meros figurantes agora se estende ao Sporting Soprotecção de Quelimane que, este ano, já fez “descarrilar” o Maxaquene, campeão em título, e está intrometido na lutar pela quarta posição que dá acesso às meias-finais.

Aires Ali ausculta jornalistas sobre Jogos Africanos


"Estão em preparação actividades para a divulgação da marca COJA, nos locais mais recônditos do país"

Depois do lançamento oficial do mascote e do relógio da contagem regressiva para os décimos Jogos Africanos, o primeiro-ministro, Aires Ali, realizou ontem, no seu gabinete oficial, o primeiro dos diversos encontros com jornalistas desportivos, representantes do Ministério da Juventude e Desportos e figuras envolvidas no processo de organização deste evento desportivo africano, a decorrer próximo ano em Maputo.

Na agenda do encontro, esteve a auscultação dos principais problemas que os jornalistas enfrentam no processo de divulgação dos Jogos Africanos de 2011, bem como o nível de preparação das selecções que participarão na competição em várias modalidades, o processo de construção da Vila Olímpica e a reabilitação das infra- estruturas que irão albergar as partidas
.

Aires Ali disse que estão em preparação actividades para a divulgação da marca COJA, nos locais mais recônditos do país, e pontos estratégicos das principais vilas, como é o caso de aeroportos, mercados e outros locais públicos, no sentido de fazer com que todo o moçambicano sinta-se envolvido.

Aires Ali disse ainda que Moçambique tem todas as condições para que os Jogos Africanos de 2011 sejam um sucesso, por isso, chamou ao envolvimento de todos os moçambicanos, no sentido de levar a marca do COJA além fronteiras
.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

MUNDIAL DE SAN JUAN-2011 - Selecção de hóquei inicia preparação em Pretória


A SELECÇÃO Nacional de Hóquei em Patins já escolheu a primeira base para dar início a sua preparação tendo em vista a participação no Campeonato do Mundo do Grupo A a realizar-se em San Juan, Argentina, no próximo ano. Trata-se da cidade de Pretória, a capital política da África do Sul, que na próxima semana irá contar com a visita dos hoquistas moçambicanos que já centram as atenções em mais uma presença na mais importante competição mundial.



Em Pretória, mais concretamente no pavilhão da ACP (Associação da Comunidade Portuguesa), a equipa nacional irá realizar jogos de controlo frente a selecção sul-africana que também se prepara para marcar presença no Campeonato do Mundo do Grupo B a realizar-se em Dornbirn, Áustria, no próximo mês
.

Nesta primeira fase de preparação, a equipa moçambicana não contará com a presença dos internacionais que se encontram a jogar em Portugal (Paulo Pereira, Júlio Soares, Nuno Adrião e Bruno Adrião), devendo ser inteiramente constituída por hoquistas a actuarem no país, sendo bem provável que se registem algumas estreias de jogadores que estiveram presentes no ”Africano” ao serviço do Estrela Vermelha e que deixaram muitas boas indicações.

Pedro Tivane, técnico que irá dirigir a Selecção Nacional em Pretória, afirma que começar cedo a preparação é muito importante pois permite que se faça um trabalho mais pormenorizado em todos os aspectos (táctico-técnico e físico), bem como abre mais espaço para se fazer uma observação minuciosa em relação a condição de cada atleta.

O facto é que ver a Selecção Nacional começar com a preparação quando falta pouco menos de um ano para o Mundial, pode ser visto como uma revolução no hóquei nacional, se se atender que nas anteriores edições os trabalhos se iniciaram a poucos meses da abertura.

Refira-se, que no último Campeonato do Mundo realizado em Vigo, Espanha, no ano passado, o colectivo nacional ocupou a décima primeira posição e parte para San Juan com objectivo de melhorar essa classificação
.

Na fase de grupos, Moçambique terá como adversários Portugal, Angola e o primeiro classificado do Mundial do Grupo B, que provavelmente venha a sair do trio constituído por Andorra, Holanda e EUA, na condição de candidatos fortes ao título B.

Continuo ligado ao clube e com tarefas por cumprir – assume Rui Tadeu diz que sai tranquilo da direcção e vai ocupar-se exclusivamente dos grandes pro


RUI Tadeu é um nome incontornável na história do Costa do Sol que, durante 24 anos, assumiu os destinos que marcaram a trajectória retumbante caracterizada pelas várias conquistas alcançadas com maior destaque a nível da equipa principal de futebol como director desportivo, executivo e presidente adjunto “canarinho”.



Ao lado de José Neves, que durante 27 anos dirigiu os destinos da colectividade, Rui Tadeu foi a pessoa que esteve à frente dos desafios e dos sucessos conseguidos até então pelo Costa do Sol, que lhe colocam até este momento no topo de conquistas em futebol comparativamente ao Ferroviário de Maputo
.

Na hora da saída da direcção do clube, Tadeu disse que vai continuar ligado ao Costa do Sol, onde tem missões confiadas e que vai tentar cumprí-las com a mesma dinâmica com vista a trazer bons resultados para a colectividade.

Rui Tadeu vai administrar a Sociedade de Gestão de Participações Sociais (SGPS) do clube, uma entidade de desenvolvimento dos vários projectos desenhados pela colectividade, que dirigiu cumulativamente com o cargo de presidente adjunto da colectividade desde 2008. O Costa do Sol perspectiva a construção de infra-estruturas desportivas (estádio e pavilhão) e desenvolver projectos imobiliário (Matchiki-Village) e comercial, que vão garantir maior sustentabilidade do clube. Para além de desenvolvimento destes projectos, é responsabilidade da SGPS a expansão dos negócios do clube.

Questionado se saía feliz, elucidou que “o Costa do Sol deu-me uma tarefa e é nela que me vou concentrar. Aliás, somos todos gente da mesma família e sinto que esta nova direcção tem pessoas capazes de desenvolver o trabalho que eu e outros desenvolvemos durante este período. Durante estes anos todos assumi tarefas que me foram confiadas. Portanto, sinto-me tranquilo porque tenho uma tarefa e vou tentar dar o meu máximo”, comentou.




DEIXO PROJECTOS…




Um dos desafios assumidos por Tadeu foi a autonomização de futebol, fase que o clube já havia iniciado no ano passado quando Issufo Mogne, um dos seus principais colaboradores, assumiu o cargo de gestor da modalidade. Com esta iniciativa visando a gestão separada de futebol, que se insere nas recomendações da FIFA e da nova Lei do Desporto, Tadeu acredita que o Costa do Sol possa ser uma equipa com uma estrutura sólida, porque pressupõe a reorganização dos escalões de formação
.

Salientar que Rui Tadeu ingressou no Costa do Sol como colaborador em 1983, assumindo o cargo de director desportivo até 1985. Tornou-se quadro efectivo e sócio do clube em 1986 e manteve-se director desportivo até 1990. No ano seguinte, foi nomeado director executivo, na mesma altura que se criava o Ma Tchiki-Tchiki, e em 2003 tornou-se presidente adjunto do Costa do Sol, cargo que ocupou exclusivamente até 2010. Referir também que de 2006 a 2010 ocupou simultaneamente o cargo de director do gabinete de desenvolvimento, no qual está inserido o projecto Ma Tchiki-Tchiki.

JOÃO RAUL NA LISTA DE ESPERA




A outra figura de destaque nos últimos tempos no Costa do Sol é João Raul que não foi reeleito para o cargo de director executivo, ou por outra, não faz parte da nova direcção. Para já, o que se sabe é que ele continua, contudo, quadro do clube e aguarda enquadramento.
Fontes próximas dão conta que João Raul poderá vir a ser secretário-geral ou permanente do clube
.

Os maus resultados da equipa principal de futebol estão na origem das remodelações registadas na direcção do Costa do Sol.

CAMPEONATO DE FUTSAL DA CIDADE DE MAPUTO - Liga mantém-se na liderança com Desportivo na perseguição

A SEXTA jornada do Campeonato de Futsal da Cidade de Maputo serviu para confirmar uma vez mais que a luta pela primeira posição será entre a Liga Muçulmana e o Desportivo, crónicos concorrentes ao título. Nessa ronda, os “muçulmanos” bateram a UP, por 3-0, enquanto os “alvi-negros” venciam a Associação, por 4-2.



Com estes resultados, a Liga manteve-se no comando, agora com 16 pontos, mais um que o Desportivo, actual detentor do titulo.

A avaliar por este cenário, tudo leva a crer que a luta pelo “canecão” ficará decidida no embate entre ambos.

No desafio entre formações que lutam para fugir à última posição, o Estrela Vermelha derrotou o Maxaquene, por 4-2.

BASKET SHOW: Estreia triunfal da Matola


A ESCOLA Secundária da Matola, bicampeã do Basket Show, estreou-se a vencer Mahlazine, por 35-27.



Os estudantes da Matola iniciaram assim da melhor forma o ataque ao terceiro título, embora tenham se confrontado com um adversário arrojado e que deu tudo para contrariar o seu favoritismo.

Quem passeou a sua classe foi a Escola Secundária Josina Machel que “esmagou” a São Dâmaso, por 68-8, uma diferença pontual de 60 pontos que elucida bem a diferença de qualidade entre ambos.

No embate que encerrou a ronda, a Escola Secund]aria de Laulane bateu a Noroeste 1, por 44-29.

A próxima jornada realiza-se no próximo sábado com o seguinte programa de jogos:

Matola-Noroeste, Francisco Manyanga-Estrela Vermelha e Polana-Laulane.

Voleibol-Taça Maputo: Académica isola-se na liderança


A ACADÉMICA isolou-se na liderança da Taça da Cidade de Maputo em voleibol, seniores femininos, ao vencer, no sábado, a Maputo Jet’s, por 3-1 ((23/25-25/13-25/18-25/22), em partida da quinta jornada.



As “estudantes” passaram a somar 12 pontos, mais seis que a GRAAL, que não jogou a pedido da equipa da Hotso.

Em masculinos, a luta pela primeira posição continua ao rubro com a Académica M e Maputo Jet’s a travarem uma luta acesa. No pretérito fim-de-semana, ambos os “teams” venceram. Os “estudantes” superaram Mahotas, por 3-0 (25/17-25/20-25/13), enquanto a Jet’s teve que sofrer para ganhar a Hotso, por 3-2 (24/26-25/27-25/16-25/16-15/11).

A Académica lidera com 12 pontos seguido de Maputo Jet’s com 11. Refira-se que a segunda equipa tem menos um jogo realizado.

A mcel continua a ser a sensação ao deixar para trás equipas mais experientes como as das Mahotas, Académica B e Hotso. Nesta ronda derrotou o BM, por 3-0 (22/25-19/25-12/25) e consolidou-se na terceira posição com 8 pontos
.

A próxima jornada realiza-se no próximo sábado.

Eis os jogos:

MASCULINOS

Académica B-BM

Mahotas-Hotso

mcel-Maputo Jet’s

FEMININOS

Académica-Maputo Jet’s

GRAAL-Hotso

"Nampulense": Hanane suspenso por quatro meses

ABDUL Hanane, presidente do Benfica de Nampula, foi suspenso por quatro meses na sequência do tumulto ocorrido na partida frente ao Sporting de Nampula a contar para 19ª jornada do “Nampulense”.



Nesse “derby” de Nampula, realizado a 4 de Setembro, Abdul Hanane protestou de forma impetuosa contra a equipa de arbitragem após a expulsão de Sérgio, jogador da equipa “encarnada”.

O certo é que os protestos do dirigente culminaram com a invasão de campo por parte dos adeptos do Benfica de Nampula.

Para além de ter que cumprir a pena de suspensão, Abdul Hanane terá que pagar uma multa de 15 mil meticais.

LIGA PORTUGUESA DE FUTEBOL - Luso-moçambicano faz história em Olhão


MELHOR... era complicado. Cinco jogos, nenhuma derrota, melhor defesa da Liga Portuguesa de Futebol com apenas um golo sofrido. Os números impressionam. Olhão está a viver um início de época brilhante, pois a formação treinada pelo luso-moçambicano Daúto Faquirá e com Mexer à defesa está a superar todas as expectativas, deixando os adeptos algarvios entusiasmados com a melhor campanha de sempre da equipa ao mais alto nível.



Com este início prometedor, Daúto Faquirá já faz história na equipa de Olhão colocando, de resto, a fasquia bem alta para os próximos testes. O próximo, curiosamente, diante do... FC Porto.

Daúto Faquirá começou segunda-feira a preparar o encontro com os “dragões” e, ao que tudo indica, irá manter a mesma fórmula dos primeiros cinco encontros da Liga.

Refira-se que o Olhanense de Mexer ocupa a terceira posição.

Futebol português: Queiroz apresenta queixa-crime por fortes indícios de fraude processual


CARLOS Queiroz apresentou ontem uma queixa-crime no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DIAP) contra os intervenientes no processo de inquérito respeitante ao controlo de dopagem, por indícios de fraude processual.



Dei instruções aos meus advogados para formalizar a queixa-crime no DIAP", revelou à agência Lusa o ex-seleccionador de futebol de Portugal, alegando “fortes indícios de fraude nas várias fases do processo” desencadeado após os incidentes na Covilhã, a 16 de Maio, que envolveram a equipa médica do ADoP (Autoridade Antidopagem de Portugal) e Queiroz.

Nos documentos do processo, aos quais a Lusa teve acesso, ressaltam incongruências. Uma delas tem a ver com os três autos de declarações dos três médicos do ADoP presentes na Covilhã (António Queimadela Baptista, que dirigia a equipa, José Madeira e João Marques), recolhidas pelo instrutor do processo, Sandro Leão, a 5 de Julho.

Nesses três autos, que seriam assinados pelo instrutor, os médicos relatam os acontecimentos, que incluem os palavrões proferidos por Queiroz e referem, pela primeira vez, praticamente as mesmas palavras, que este perturbou o seu trabalho.

No entanto, dois dias após, o inquiridor solicita ao presidente do ADoP, Luís Horta, alvo das injúrias de Queiroz, que identifique os médicos responsáveis pelo controlo e o informe da forma como decorreu e se houve desconformidades.

A 9 de Julho, Luís Horta responde a Sandro Leão por e-mail, informando-o quem são os médicos em causa e que um deles, João Marques, cometeu uma não conformidade.

Ou seja, o inquiridor só soube a 9 de Julho quem eram os responsáveis pelo controlo e a desconformidade cometida, mas, quatro dias antes, já tinha não só ouvido os três médicos como redigido e assinado os autos de declarações
.

Por outro lado, os relatórios elaborados pelos médicos nunca referem até 2 de Julho (data em que o presidente do IDP, Luís Sardinha, ordena em despacho a instauração do processo e nomeia o inquiridor) que Queiroz tivesse perturbado o controlo, apenas as suas palavras injuriosas, não referidas.

O primeiro relatório, de 16 de Maio, assinado pelos três médicos, tem anexado duas folhas escritas à mão e assinado por um dos médicos (João Marques), que relata os factos ocorridos (sem nunca mencionar perturbações).

A caligrafia nas duas folhas anexadas ao relatório é semelhante à utilizada numa frase em que se lê "ver em anexo s.f.f.", escrita no espaço que sobra no primeiro de três para observações e levam um risco na diagonal, utilizado quando a intenção é nada lá escrever.

Noutro documento a que a Lusa teve acesso, verifica-se que a 18 de Junho, um mês e dois dias após o controlo, António Queimadela Baptista e José Madeira informam por e-mail Luís Horta, conforme solicitado, que já enviaram os relatórios suplementares.

Os dois médicos não assinaram a declaração anexada ao primeiro relatório sobre o que se passara na Covilhã, que vinha assinada por João Marques.

Os relatórios suplementares pedidos a 18 de Junho por Luís Horta aos dois médicos vêm por estes assinados e datados de 16 de Maio e referem apenas os comentários de Queiroz, nunca aludindo a qualquer perturbação deste ao seu trabalho.

Paulo Bento novo seleccionador de Portugal


FALHADA a contratação de Mourinho para dois jogos, eis o homem que já se sabia ser o eleito. Reuniu-se na segunda-feira com Gilberto Madail, o acordo ficou estabelecido. Ontem começou uma nova era.



Não foi oficializado na segunda-feira como se esperava, mas já ninguém tem dúvidas: Paulo Bento vai mesmo ser o novo seleccionador de Portugal, o 30.º homem a orientar a equipa das Quinas.

Gilberto Madail deu a conhecer o acordo aos seus pares da Direcção numa reunião realizada ontem.

Um dos assuntos que estava em cima da mesa é a constituição da equipa técnica que acompanhará Paulo Bento nos próximos dois anos. Os nomes de Carlos Pereira, Leonel Pontes, João Aroso (preparador-físico) e Ricardo Peres (treinador de guarda-redes), que com ele trabalharam em Alvalade, são apontados como praticamente certos na nova estrutura técnica da selecção nacional
.

Leonel Pontes poderá ficar também mais ligado aos escalões de formação, face à enorme experiência acumulada nesta área durante os mais de dez anos ao serviço do Sporting. O madeirense, note-se, tem ainda uma forte ligação ao melhor jogador português da actualidade, Cristiano Ronaldo, uma vez que foi seu tutor nos primeiros tempos em Alvalade.

FC Lichinga nas malhas da crise


FC Lichinga corre sérios riscos de descer de divisão.

É uma crise sem precedentes. O FC Lichinga, ora na última posição no Moçambola-2010, com 17 pontos, corre sérios riscos de descer de divisão
.

O clube, que constitui um dos símbolos da província do Niassa, está a braços com uma crise financeira, sendo que tem uma dívida de um milhão, oitocentos e sessenta mil meticais referente a salários de jogadores e funcionários.

Os mesmos não recebem os seus ordenados desde o passado mês de Maio, situação que está a afectar o comportamento da equipa no Moçambola.

Como consequência desta crise, o clube tem sido sistematicamente afectado por greves que, muitas vezes, fazem com que a equipa técnica tenha que cancelar os treinos e não tenha tempo suficiente para preparar os jogos do Moçambola e Taça de Moçambique
.

Neste momento, a Comissão de Gestão do clube tem estado a encetar esforços junto às organizações locais, no sentido de colectar fundos para cobrir as despesas do mesmo. Porém, este exercício não tem sido suficiente para tirar o clube da penúria.

Januário Nhantsave, da Comissão de Gestão do FC Lichinga, disse ao “O País” que esta crise “não começou hoje. Portanto, é uma crise que se arrasta há já algum tempo”.

A fonte disse ainda que a mesma vem desde o período em que a “ECMEP deixou de ser patrocinador oficial. Esta empresa desapareceu ou deixou de patrocinar, porque também não tinha condições de o fazer”.

Jersild Chirindza

Clarisse Machanguana assina pelo Parma Basket


Nem a idade, nem as lesões que a têm afectado param Clarisse Eulália Machanguana.

Nem a idade (34 anos a completar no próximo dia 4 de Outubro) nem as lesões que a têm afectado (a última, arreliadora, ao serviço do Lattes Montepellier da França) param Clarisse Eulália Machanguana, referência obrigatória do basquetebol moçambicano.

Manucha, como é carinhosamente tratada, assinou um contrato válido por uma temporada com o Lavezzini Parma Basket da Liga Italiana de Basquetebol Feminino.

Clarisse Machanguana deixa, desta forma, para trás, o Bracco Geas Sesto San Giovanni, formação que representou na temporada passada, tendo sido uma das jogadoras mais influentes. Os números, aliás, não mentem: Clarisse Machanguana teve uma média de 18.1 pontos/jogo; 9.9 ressaltos e 3.2 assistências.

Aristides Cavele

“É muito cedo para encomendarmos as faixas de campeão”


O técnico da Liga Muçulmana disse também que “vamos aproveitar esta semana para fazer treinos complementares que nos possam ajudar a aprimorar mais o nosso modelo de jogo

A vitória por um a zero diante do HCB de Songo, em desafio da 21ª jornada do Moçambola-2010, colocou a Liga Muçulmana a oito pontos do Ferroviário de Maputo, segundo classificado da prova, quando faltam cinco jornadas por disputar. Pela frente, os “muçulmanos” terão ainda o Atlético Muçulmano (a quem venceram por 1-0, na 9ª jornada), FC Lichinga (perderam 1-0 na 10ª jornada), Maxaquene (venceram 1-0 na 11ª jornada ), Ferroviário de Pemba (ganharam por 1-0 na 12ª jornada) e Ferroviário de Maputo (empataram sem abertura de contagem na 13ª ronda).

São, portanto, cinco “finais” em que a Liga Muçulmana terá de esgrimir argumentos para não perder pontos e ver os seus adversários assaltarem a liderança. Para já, ainda que esteja a liderar a prova confortavelmente, Artur Semedo, treinador da Liga Muçulmana, diz ser muito cedo para encomendar as faixas de campeão.

Repare: estamos confortavelmente instalados na tabela classificativa, mas, enquanto do ponto de vista aritmético for possível os nossos adversários chegarem ao título, não podemos cantar que somos campeões”, começou por dizer, Semedo, cauteloso. Depois duma pausa, acrescenta: “ainda há muito campeonato por disputar”.

O técnico diz, contudo, que “estamos também numa posição confortável, isso é inegável e indiscutível. E, portanto, isto dá-nos segurança para podermos encarar o resto do campeonato com relativa tranquilidade. Estamos apenas no conforto”, frisou.

Este fim-de-semana, o Moçambola 2010 vai sofrer uma paragem para dar lugar à disputa das meias-finais da Taça de Moçambique.

Uma paragem que, mesmo não sendo ideal, sobretudo pelo momento que a equipa atravessa, servirá para esta aprimorar alguns aspectos. “Essencialmente, esta paragem vai servir para fazermos um trabalho que nos possibilite abordar alguns temas do nosso treino que, em condições normais, com a competição a decorrer, não temos hipóteses de fazer”, notou.

Jersild Chirindza

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Engenheiro Augusto Fernando eleito presidente do Costa do Sol


Augusto Fernando, que sucede no cargo ao engenheiro José Neves, que dirigiu os destinos do clube durante 27 anos, foi eleito com um total de 49 votos. O novo presidente do Costa do Sol é membro do Conselho de Administração da EDM.

O engenheiro Augusto Fernando, quadro do Conselho de Administração da Electricidade de Moçambique (EDM), foi eleito, sábado último, novo presidente do Clube de Desportos da Costa do Sol para o período 2010-2014, durante a assembleia-geral. Augusto Fernando, que sucede no cargo ao engenheiro José Neves, que dirigiu os destinos do clube durante 27 anos, foi eleito com um total de 49 votos.

Augusto Fernando tem pela frente um trabalho árduo, sendo que um dos desafios passa por devolver a dignidade desta à colectividade, sobretudo, no futebol, onde a sua equipa principal está a fazer uma temporada irregular
.

Mas, por outro lado, também dar prosseguimento ao projecto de edificação do complexo desportivo do Costa do Sol que chegou, aliás, a ser projectado para Marracuene, depois das enxurradas que assolaram o clube no princípio desta década.

Durante a assembleia-geral, pacífica, foi ainda apreciado e aprovado o relatório de actividades e contas da direcção cessante com o parecer do Conselho Fiscal.

Por outro lado, discutiu-se a alteração de alguns artigos, tendo ficado esclarecido que a indicação do presidente da mesa da Assembleia-Geral é feita pela Electricidade Moçambique, principal patrocinador do clube “canarinho”.

Ficou, outrossim, estabelecido que todos os funcionários da Electricidade de Moçambique, que quiserem ser sócios do Costa do Sol, poderão fazê-lo por escrito, e estarão isentos do pagamento de cotas.

Augusto Fernando na primeira pessoa

Pouco depois de haver sido eleito presidente do Costa do Sol, Augusto Fernando usou da palavra e começou por felicitar a direcção cessante pelo trabalho desenvolvido ao longo tempo em que dirigiu o clube. “Muito obrigado. Gostaria de saudar a direcção cessante e reconhecer que os títulos conquistados foram produto de muito esforço por parte desta”, referiu.

E, como seria de esperar, reconheceu que há “um desafio muito grande” pela frente.

O clube está a atravessar um período não muito bom. Cabe a esta direcção encarar o desafio de, no próximo Moçambola, ocuparmos os três primeiros lugares”, lançou o repto. Augusto Fernando lembrou ainda que “este mandato é de quatro anos e temos que ganhar dois títulos. Ter duas taças de Moçambique é outro objectivo”, indicou.

A área da formação, garante do futuro, não foi esquecida. “Há um assunto que foi muito debatido aqui. É a questão das camadas de formação. Temos que apostar fortemente na formação de jogadores”, frisou.

O Costa do Sol é um clube ecléctico e Augusto Fernando disse claramente que outras modalidades vão merecer atenção: “Vamos olhar para outras modalidades, porque o Costa do Sol não é feito só de futebol. É verdade que o futebol faz a diferença, visto que é a modalidade que mais títulos ganhou no clube. Nós podemos ganhar noutras modalidades, mas se não conquistarmos um título no futebol não teremos feito nada. Os adeptos são exigentes porque querem, tal como a direcção, que o clube ganhe títulos”, disse o novo presidente do Costa do Sol.

E acrescentou: “penso que, de alguma forma, temos que olhar para outras modalidades como é o caso do atletismo, natação voleibol, entre outras”. “Queremos”, ajuntou, “desenvolver uma rede de olheiros a nível nacional para identificação de talentos para que possam vir trabalhar para o clube”, indicou.

O dirigente acresceu que “precisamos criar essa capacidade internamente. Precisamos de ir buscar aquilo a que chamaríamos fórum de antigos jogadores do Costa do Sol, como é o caso de César, para nos trazer a sua experiência e reforçar a de criar parcerias com nossa a vizinhança, pois temos as escolas portuguesa e francesa. Vamos procurar criar cooperação com eles”, disse. Num outro desenvolvimento, Fernando falou da necessidade do complexo Matchiki Tchiki ser gerido de forma mais “profissional”. “O projecto que aqui foi apresentado é no sentido de ver o que está a falhar para corrigir a situação.

Mas também criar novos grupos para permitir a entrada de novos sócios, adeptos e simpatizantes, uma vez que o Costa do Sol é um dos clubes com mais adeptos
”.

O dirigente indicou ainda que “teremos acordos com sócios internacionais”. Quanto à comunicação, disse: “o Costa do Sol tem uma nova página na internet, onde iremos actualizar todos os acontecimentos do clube e criação de revistas impressas, onde divulgaremos as nossas actividades”, finalizou.

Jersild Chirindza

“Saio com consciência tranquila, porque cumpri com aquilo a que me propus”




Engenheiro José Neves, figura que dirigiu o Costa do Sol durante 27 anos.
José Neves prometeu continuar a ajudar o Clube de Desportos da Costa do Sol. “Contem comigo. Estarei sempre disponível. Não vou abandonar o clube”.

Há 27 anos, no quadro da política de integração clube/empresa, o engenheiro José Neves foi escolhido presidente do Clube de Desportos da Costa do Sol. Inicialmente, José Neves integrou a comissão de gestão do Costa do Sol depois de ter trabalhado alguns anos no Maxaquene. Hoje, na hora de despedida, Neves, que criou uma estrutura sólida e foi um dos responsáveis pela gestão exemplar desta colectividade, faz um balanço positivo dos 27 anos durante os quais dirigiu o Costa do Sol. “O Costa do Sol, hoje, é o clube que é e tem o mérito que tem. Não tenho dúvidas que tal se deve, em especial, ao trabalho e empenho destes dirigentes todos”, começou por dizer José Neves.

Mais adiante, o presidente cessante recordou que “alguns já morreram e outros estão aqui (na assembleia-geral, entenda-se)”. José Neves ajuntou ainda que “saio com a consciência tranquila, porque cumpri com aquilo a que me propus desde o início, com os meus colegas, que foi transformar o clube”, notou.

José Neves recuou no tempo e recordou que “talvez muitos que aqui estão não saibam que em 1980/1982 os clubes, incluindo o Costa do Sol, estavam praticamente na ruína. A maior parte dos clubes eram dirigidos por pessoas que se tinham ido embora. Então, surge uma decisão política que decide integrar os clubes nas empresas e aí nasce a relação entre a EDM e o Costa do Sol. É, por outro lado, aí onde nasce a minha relação com o clube”, explicou.

Mas nem tudo foi um mar de rosas ao longo deste percurso. É que, recorda José Neves, “no início, não fui muito bem visto pelos sócios porque, na altura, era jovem. As pessoas olhavam para mim como jovem e, ainda por cima, tinha ficado um ano e meio a dar o meu apoio ao Maxaquene na área de futebol”, recorda. E prossegue o seu fio de raciocínio: “Portanto, estão a imaginar o ambiente que me rodeou na altura em que eu apareci. Fiz parte de uma comissão administrativa, de um grupo de gestão que englobava quadros da EDM e do Costa do Sol, na altura”. “Quer dizer”, lembra, “foi necessária uma luta árdua, porque tivemos que estruturar o grupo (...)”.

José Neves disse ainda que “27 anos depois estamos aqui. Conseguimos tornarmo-nos a equipa com mais títulos de campeão nacional e Taça de Moçambique. Portanto, um clube com prestígio; um grupo com um projecto muito interessante”. O presidente cessante garantiu que “não perdi o meu tempo aqui, mas sim ganhei tempo. No desporto, como sabem, existem muitos praticantes e muitas virtudes. Eu não tenho dúvida nenhuma que aprendi muitas lições de solidariedade, respeito para com o adversário. Foi neste clube que fiz as maiores amizades”.

A finalizar, José Neves prometeu continuar a ajudar o Clube de Desportos da Costa do Sol. “Contem comigo. Estarei sempre disponível. Não vou abandonar o clube. É claro que não vou continuar com funções executivas, mas estarei sempre disponível”.

Jersild Chirindza

MDM: Jogos Africanos deviam ser repensados


O Movimento Democrático de Moçambique diz que a questão da organização dos Jogos Africanos devia ser repensada. “... são por aí 250 milhões de dólares que estão a ser investidos para estes jogos. Temos que repensá-los em nome da poupança”.



Nesta edição, o secretário-geral do MDM, Ismael Mussá, em nome do seu partido, apresenta um plano que, na sua óptica, deveria ser seguido pelo governo, visando fazer uma “verdadeira poupança” dos dinheiros públicos, no âmbito das medidas de austeridade anunciadas pelo governo.

Na qualidade de secretário-geral do Movimento Democrático de Moçambique, qual é a análise que faz das decisões anunciadas pelo governo, visando minimizar o custo de vida das pessoas?

Acho que o Governo tomou aquelas decisões num ambiente de muita emoção. Era um momento de nervosismo, agitação e muita emoção, e acabou, se calhar, por tomar estas decisões erradas. O que seria correcto era apresentar as ditas medidas e mostrar em números o que estas medidas trariam, em termos de poupança e contenção para o país. O Executivo deve, de imediato, apresentar à Assembleia da República uma proposta de Orçamento Rectificativo, onde deve demonstrar com clareza que vai poupar X e que o mesmo será aplicado neste e naquele projecto. Só assim é que nós, na qualidade de parlamentares, poderemos fiscalizar, porque o orçamento é aprovado em forma de lei. Neste momento, nenhum deputado estará em altura de compreender as medidas tomadas, o que irá dificultar a sua fiscalização.


Na óptima do MDM, o que deve ser feito para melhorar estas medidas...
Primeiro, essas medidas devem ser transformadas em números. Aliás, essas medidas são de curto prazo, e o que todos nós não sabemos é o que vai acontecer pós-Dezembro, uma vez que as medidas terminam nesse mês. É aí onde todos esperamos por uma resposta a longo prazo do Governo, para se resolver esta questão
.

O MDM concorda com o subsídio de 200 meticais por cada saco de trigo?
É preciso reparar, primeiro, que o problema do preço do pão não está no trigo. Está em vários outros factores como a luz e a água que, por sinal, não baixaram para estes escalões. Mais, para aqueles cidadãos fora de Maputo, há que adicionar ainda os custos de transporte. Portanto, o subsídio ao trigo não é sustentável.

Mas ao invés de criticar apenas (...), quais são as propostas do MDM?
Achamos, por exemplo, que a questão da organização dos Jogos Africanos devia ser repensada. Se a memória não me atraiçoa, são por aí 250 milhões de dólares que estão a ser investidos para estes jogos. Temos que repensá-los em nome da poupança. Outra questão tem que ver com as presidências abertas. Apesar de achar que é importante que o presidente dialogue com as populações, mas não deve o fazer via aérea, pois é dispendiosa.

O que acho é que o presidente devia repensar nas viagens aéreas e começar a ir por terra. Por exemplo, para visitar a zona centro, pegava voo para Beira e depois usava carro para escalar os restantes distritos de Sofala e de Manica. O mesmo poderá fazer voando para Nampula e visitando os outros distritos, como fazia o presidente Samora e é mais viável hoje. A terceira grande redução de custos é na estrutura do Governo, dado que a actual é muito pesada. Por exemplo, ao invés de termos 28 ministérios (28 ministros e 26 vice-ministros), podemos fundir alguns e, pelos cálculos, teríamos apenas 13
.

Atanásio Marcos

MOÇAMBOLA-2010: Liga Muçulmana, 1-HCB, 0 - Muitos golos ficaram com os avançados


ENTRANDO em campo informado de mais um desaire do Ferroviário de Maputo, com toda a naturalidade a Liga Muçulmana chamou a si a responsabilidade de atacar, de modo a encarar as próximas jornadas com relativa tranquilidade. Assim pensado, melhor executado. Com Paíto fora do “onze” inicial, coube a Carlitos e Nelson, no miolo, Silvério e Micas, nas laterais, o papel de municiar o jogo ofensivo dos anfitriões, alimentando com regular frequência a dupla formada por Maurício e Chana. Mussá Osman respondeu com um meio-campo musculado, que tinha em Henry e Gito os principais municiadores da dupla Mavó/Amílcar, enquanto lá atrás Mucuapele comandava uma defensa experiente.



Fruto da sua disposição avançada no terreno, a Liga Muçulmana construiu várias oportunidades de golo, mas Maurício, a atravessar um mau momento, não conseguia concluir as jogadas com êxito. Chana, quando solicitado, rematava torto
.

Aos 11 minutos, o defesa Calima oferece a bola a Micas e este, apenas com o guarda-redes Chico pela frente, remata frouxo. No contra-ataque, Henry isola Amílcar para rematar sobre a barra.

Os “muçulmanos” aceleraram ainda mais a velocidade do jogo, todavia, no momento do toque final continuavam desatinados com a baliza, à excepção de um pontapé bem colocado de Carlitos, desviado por Calima sobre a linha de golo.

Na segunda parte, a Liga Muçulmana persistiu em empurrar o jogo para o meio-campo adversário e as jogadas de contra-ataque da HCB reduziram substancialmente, de tal sorte que Amílcar se transformou num brinquedo sob controlo de Fanuel e Narciso.

Na marcação de um canto, a bola foi embater na mão de Mavó, o árbitro Amosse Lázaro entendeu que o jogador desviou a bola voluntariamente e assinalou grande penalidade. Carlitos rematou certeiro para o golo solitário do desafio.

Em desvantagem, Mussá Osman fez alterações no seu xadrez e os jogadores avançaram mais no terreno, a ponto de Amílcar, desmarcado por Mavó, desperdiçar mais uma clara oportunidade de golo, ao desviar o esférico contra o corpo de Neco
.

Pressionados, os pupilos de Artur Semedo perderam o controlo do desafio e limitaram-se a despachar as jogadas, mas, pela pressão do tempo, os jogadores da HCB não souberam tirar proveito deste mau momento do adversário.

Nas contas finais, ficaram por marcar pelo menos cinco golos, sobretudo pelos dianteiros Maurício, Chana e Amílcar, que se deram uma folga chata para os adeptos
.

O árbitro Amosse Lázaro controlou o desafio, contudo, a grande penalidade por si assinalada foi duvidosa, sobretudo porque não exibiu o cartão amarelo a Mavó, quando a jogada deu-se na pequena área e a bola seguia para a baliza.

FICHA TÉCNICA



Árbitro
: Amosse Lázaro, assistido por Célio Mugabe e Daniel Viegas. Quarto árbitro: Arlindo Silvano.

LIGA MUÇULMANA
– Neco; Silvério, Fanuel, Narciso e Vling; Cantoná (Mayunda), Nelson e Carlitos; Maurício (Paíto) e Chana (Massitara).

HCB – Chico; Calima, Elídio (Zuma), Mucuapele e Dangalira; Gito (Marlon), Henry, Ngoni (Andro); Amílcar e Mavó.

Acção disciplinar: cartão amarelo para Nelson e Mavó.

CUSTÓDIO MUGABE

MOÇAMBOLA-2010: Fer. Maputo, 1-Desportivo, 1 - Tudo o intervalo levou!


QUE mal vos fez o intervalo”, é o que os milhares de adeptos presentes no Estádio da Machava deviam estar a dizer no final da partida. Os 15 minutos de descanso não serviram, de certeza, para os jogadores recarregarem as forças e voltarem a proporcionar uma excelente propaganda de futebol, à semelhança do que tinha acontecido no primeiro tempo. Antes pelo contrário, a inspiração e o sentido competitivo parecem ter ficado no balneário.



Foi visível na face dos adeptos, sobretudo do Ferroviário, que precisavam de vencer para manter vivo o sonho do “tri”, alguma tristeza e desilusão pelo facto de a “locomotiva” não ter estado tão afinada na etapa complementar.

Mas o decréscimo das duas equipas pode ser justificado pelo facto de a primeira parte ter sido disputada a um ritmo estonteante. Nesse período, sim! Houve futebol, jogadas individuais e colectivas de belo efeito. E, para adoçar o apetite dos espectadores, foram servidos golos de belo recorte técnico, um dos quais uma raridade neste Moçambola, senão mesmo inédito.

Aos 29 minutos, Munino é chamado a marcar um pontapé de canto pela direita. E, em vez de meter a bola no “barulho”, fê-lo directamente para a baliza. O guarda-redes Mohamad, assim como os seus colegas, foi apanhado de surpresa com esta bela execução do jovem “alvi-negro”. Este golo veio abrilhantar um clássico que, desde o primeiro minuto, estava a ser agradável de ser ver, com as duas equipas a jogarem ao ataque e a criar situações claras de golo. O Ferroviário pode queixar-se de si próprio por não ter aberto o marcador, já que Luís e Ítalo, aos 15 e 18 minutos, respectivamente, desperdiçaram soberanas oportunidades de marcar.

Todavia, ficou a impressão de que os comandados de Chiquinho Conde precisavam de ser beliscados para se encontrarem com o golo. É que, no minuto seguinte, ao tento “alvi-negro”, Luís, a fazer lembrar um búfalo ferido, surgiu explosivo na grande área, dominou a bola e com muita arte passou pelo “keeper” Gervásio e fez o empate. Estavam transcorridos 30 minutos. Dentro de campo o jogo animava e nas bancadas a vibração feita ao som de algumas vuvuzelas aumentava os ânimos.

Antes do final da primeira parte ainda houve espaço para dois lances de golo certo. A primeira pertenceu aos verde-e-brancos, aos 39 minutos, com Jerry a ser o protagonista e, aos 43, foi a vez de Santos, cara-a-cara com o “keeper”, rematar por cima. A avaliar pela produção ofensiva dos primeiros 45 minutos, um empate a duas bolas se encaixaria melhor.

Entretanto, os indicadores faziam antever uma segunda parte ainda mais apimentada. Foi pena que isso tivesse ficado apenas pela imaginação, porque o segundo período foi mesmo descolorido. O jogo baixou claramente de qualidade e até chegou a dar sono.

João Armando, árbitro do encontro, realizou um bom trabalho.

FICHA TÉCNICA

Árbitro: João Armando, auxiliado por Júlio Muianga e Estrela Gonçalves. Quarto árbitro: Sérgio Lopes.

FERROVIÁRIO – Mohamad; Jotamo, Tony, Fred e Zabula (Butana); Whisky, Momed Hagy, Danito Parruque e Ítalo (Imo); Luís e Jerry.

DESPORTIVO – Gervásio; Zainadine Júnior, Emídio, Munino e James; César Bento, Abílio, Muandro e Isac (Dino); Santos (Binó) e Félix (Jojó).

Golos: Munino (29 m) e Luís (30 m).

IVO TAVARES

MOÇAMBOLA-2010: Sinfonia “muçulmana” mais aprazível


ESTÁ cada vez mais aprazível a sinfonia inteligentemente interpretada pela Liga Muçulmana no Moçambola-2010. As vitórias vão lhe caindo com naturalidade e a sua pontuação mais gorda e o fosso maior em relação ao segundo classificado, o Ferroviário de Maputo, que não tem sabido primar pela regularidade.



Na 21ª jornada, os “muçulmanos” souberam tirar partido da igualdade (1-1) dos “locomotivas”, sábado, no Estádio da Machava, face ao Desportivo, ganhando ontem à HCB do Songo por 1-0, na transformação de uma grande penalidade.

Agora com uma vantagem de oito pontos (50-42), a equipa de Artur Semedo, em paralelo com os fortes argumentos que será obrigado a esgrimir diante dos seus adversários, se efectivamente está interessado em chegar ao título sem sobressaltos, colocar-se-á na bancada a assistir à prometedora luta entre Ferroviário e Maxaquene, pois, separados por apenas um ponto, espevitar-se-ão para um confronto directo entre si e que pode muito bem ser aproveitado pela Liga Muçulmana para a sua fuga.

Os “tricolores” também precisaram de um penalte para ganhar ao FC Lichinga, um resultado que constituiu um autêntico sufoco ao representante do Niassa, uma vez que foi desterrado para o posto de “lanterna vermelha”, em troca com o Ferroviário de Pemba.

Os “locomotivas” de Cabo Delgado, que pela primeira vez no campeonato saíram da última posição, derrotaram o Sporting das Beira por 2-1, propondo-se a iniciar uma nova fase na sua tentativa de permanência no convívio dos grandes.

O mesmo sucede com o Atlético Muçulmano, que foi ao Chiveve bater o Ferroviário da Beira por 1-0, porém, insuficiente para assustar o Textáfrica, já que este também venceu – coincidentemente, pelo mesmo resultado de uma bola sem resposta – o Vilankulo FC, em partida realizada no campo do Ferroviário da Manga, na Beira, devido à interdição imposta ao campo da Soalpo pelo Conselho de Disciplina da Liga Moçambicana de Futebol. Mais um triunfo na sua boa campanha foi conseguido pelo Matchedje, vitorioso diante do Costa do Sol por 1-0, mantendo-se na quinta posição
.

Na classificação, Liga Muçulmana soma 50 pontos, seguido do Ferroviário de Maputo com 42, Maxaquene 41, HCB 36, Matchedje 29, Sporting e Desportivo 26, Costa do Sol 25, Ferroviário da Beira 24, Vilankulo FC 23, Textáfrica 22, e, abaixo da linha de água, Atlético Muçulmano 20, Ferroviário de Pemba 18 e FC Lichinga 17.

No próximo fim-de-semana não haverá Moçambola, em virtude da realização das meias-finais da Taça de Moçambique, com os desafios Maxaquene-Textáfrica e FC Lichinga-Vilankulo FC
.

O campeonato regressa nos dias 2 e 3 de Outubro, com a 22ª jornada, compreendendo os jogos Atlético Muçulmano-Liga Muçulmana, Maxaquene-Ferroviário de Maputo, Vilankulo FC-Matchedje, Costa do Sol-Ferroviário de Pemba, Sporting-Desportivo, HCB-Textáfrica e FC Lichinga-Ferroviário da Beira.