sexta-feira, 31 de Julho de 2009

MOÇAMBOLA-2009: Começa “fogo cruzado” sobre Liga Muçulmana

AMANHÃ o país vai jubilar. Jubilar de norte a sul. Jubilar porque, de norte a sul, estará “verdadeiramente unido”, via terrestre, com a inauguração da majestosa ponte sobre o Rio Zambeze, a Ponte Armando Emílio Guebuza.

Começa “fogo cruzado” sobre Liga Muçulmana

Múltiplos ganhos o país terá e múltiplos ganhos também teremos, desportivamente. E, como é óbvio, o Moçambola não será excepção com os inequívocos benefícios trazidos por este empreendimento que muito orgulha a nação moçambicana. Pois, paralelamente à festa que este fim-de-semana será vivida, de um modo especial em Chimuara, na Zambézia, e Caia, em Sofala, o campeonato levará os seus emocionantes momentos de futebol a diferentes cidades, emprestando também ao país a preciosa unidade.

Com a competitividade a crescer vertiginosamente, acompanhada dos mais díspares vaticínios, tendo em conta, acima de tudo, o nome do futuro campeão nacional, posto para o qual perfilam cinco formações, a 18ª jornada irá marcar, para a Liga Muçulmana, o início do “fogo cruzado”.

O início da etapa mais complexa da sua carreira, pois as suas pretensões de chegar ao título serão verdadeiramente postas à prova. Será, para o actual comandante destacado do Moçambola-2009, o período de resistir, com toda a abnegação necessária, para no fim festejar os louros, ou então se deixar trair pelas muitas vicissitudes que naturalmente vai enfrentar neste novo percurso que se abre.

E o começo do tormento dos “muçulmanos” não podia ser, nada mais, nada menos, que diante de um dos segundos classificados, o Desportivo, curiosamente, uma formação em crescendo, em todos os aspectos, e com um futebol qualitativamente agradável.

A seguir, entre os grandes, será a vez de enfrentarem o Costa do Sol, que, a despeito de algum mal-estar causado pelos resultados menos conseguidos nas últimas jornadas, é um candidato incontornável. É este, pois, o caminho que Neca e seus pupilos irão percorrer doravante e que exigirá deles máxima prudência e inteligência para se desenvencilharem deste colete-de-forças.

Numa jornada em que os outros três concorrentes ao “canecão”, Maxaquene, Ferroviário e Costa do Sol, escalam, respectivamente, Chimoio, Tete e Lichinga, o encontro entre Liga Muçulmana e Desportivo, a partir das 15.00 horas de domingo, no campo dos “tricolores”, na Machava, é encarado de uma forma muito especial pelos contendores e aguardado com invulgar expectativa pelos adeptos dos dois conjuntos, e não só. O bom futebol, “a priori”, está salvaguardado, tendo em conta a inquestionável capacidade dos artistas que estarão no relvado, digladiando-se pelo melhor resultado possível.

É verdade que, para a Liga Muçulmana, nenhum resultado altera a sua condição de guia do campeonato, dado que dispõe de uma vantagem de quatro pontos sobre os segundos classificados, porém, uma derrota não deixa de ter um efeito perverso, senão vejamos: se, neste momento, está de certo modo confortável, passaria para uma situação de apenas um ponto de dianteira, para imediatamente se encontrar com os “canarinhos”, outro adversário com quem disputa a liderança. Não seria, portanto, uma maré boa para navegar sem turbulência, embora a própria equipa esteja consciente de que será obrigada a atravessar autênticos tsunamis.

Não fosse a intempestiva igualdade frente ao Maxaquene, na ronda transacta, o Desportivo apresentar-se-ia perante a Liga Muçulmana sabendo que um triunfo seria sinónimo de ascensão ao comando.

Neste caso, tal não acontecerá, mesmo ganhando. No entanto, será um magnífico passo nas suas contas e um forte alicerce numa caminhada que, sem dar muito nas vistas, tem sido de uma qualidade invejável. Os “alvi-negros” revelam uma grande estrutura competitiva, aliada a um excelente sentido de entreajuda, pressupondo, desse modo, uma tarde de domingo espectacular na Machava.

TRIUNVIRATO EM VIAGEM

Não! Não se trata de viagens de mero passeio. Trata-se de viagens em que a indumentária terá de ser o fato-macaco. Nem Chimoio, nem Tete e Lichinga serão pontos de passagem com facilidade para o triunvirato maputense que para lá se desloca. Os adversários não aspiram lugares do topo, todavia, procuram na medida do possível melhorar a sua classificação.

À Soalpo, vai o Maxaquene. Um Maxaquene que precisa de se impor como um grande, mesmo reconhecendo, sozinho, que a questão do título poderá ter-se esfumado. É que, se assim não for, corre o risco de se deixar vulgarizar perante formações de menor expressão, algumas das quais, como é o caso do Textáfrica, com a corda ao pescoço. Aliás, é justamente por esta razão – aflição dos “fabris” do planalto de Manica – que os “tricolores” devem encarar esta deslocação com acrescidas responsabilidades.

Grande incógnita é como se pode caracterizar a visita do Ferroviário a Tete, onde será recebido pelo HCB de Songo. Uma incógnita ditada por vários factores, nomeadamente um adversário bastante ambicioso e a fazer um brilhante campeonato, um técnico, Mussá Osman, que conhece os “locomotivas” com a palma da sua mão e à frente dos quais foi campeão nacional. À magnífica movimentação de Luís e Jerry, certamente que Mussá terá a devida resposta. Por isso, o Ferroviário deve admitir que terá uma partida extremamente difícil.

E os “canarinhos”? É verdade que Lichinga não está a ser o mesmo palco em que os dinossauros temiam da sua sobrevivência, no entanto, não há lugar para embandeirar em arco. O Costa do Sol está muito pressionado.

Treinador e jogadores sentem-se como se estivessem em dívida para com os adeptos, cuja insatisfação foi expressa após o nulo da jornada passada. A calma e serenidade são o remédio recomendado nestas ocasiões, mas o FC Lichinga, no Estádio Municipal 1º de Maio, pode vir a agravar a ferida e aí a confusão subir de tom.

Noutros embates, a discussão entre Atlético Muçulmano e Chingale, no ex-campo do Maxaquene, na Baixa, promete algum desequilíbrio, com a formação de Arnaldo Salvado levando vantagem.

No Estádio 25 de Junho, a visita do Ferroviário da Beira é aguarda com apreensão, pois pode contribuir para o alargamento do fosso em que se encontrado mergulhado o seu homónimo de Nacala. Na única partida agendada para a tarde de amanhã, Matchedje defronta Ferroviário de Nampula, no Estádio da Machava, prevendo-se que os “militares”, agora já com as baterias na frente ofensiva, levem à melhor e deteriorando ainda mais a precária situação dos “locomotivas” da capital nortenha.

MOÇAMBOLA 2009: Alex Alves regressa ao Textáfrica

ALEX Alves está de regresso ao comando técnico do Textáfrica, com um objectivo bem vincado: a manutenção no Moçambola.

ALEX Alves está de regresso ao comando técnico do Textáfrica
O técnico brasileiro regressa aos “fabris” da Soalpo 40 dias depois de ter sido convidado a demitir-se, devido aos maus resultados, tendo para o seu lugar sido indicado Miguel Júnior, ora afastado após a derrota (1-2) frente ao Ferroviário de Nampula, no último fim-de-semana.

Neste seu regresso ao Textáfrica, Alex Alves depara-se com a árdua tarefa de tirar a equipa dos lugares da despromoção, pois ocupa a 12ª posição com 14 pontos. Com o objectivo de assegurar a manutenção, o técnico leva dois reforços, designadamente Telanta, um médio sul-africano, e Ítalo, um avançado brasileiro. Estas aquisições vêm colmatar, de alguma forma, a saída do avançado sul-africano Surprise, que há pouco mais de um mês se transferiu para o Helsinborg, da Suécia.

Falando ao “Notícias”, Alex Alves disse que tudo fará para tirar o clube dos lugares abaixo da linha de água. “Quando saí, o Textáfrica ocupava uma posição que lhe permitia se manter na prova. Mas o presidente entendeu que a equipa não estava a render e me afastou. Agora volto com mais força e disposto a recolocar o time num lugar que assegure a manutenção”.

MOÇAMBOLA 2009: Calendário da 18ª jornada

AMANHÃ

Estádio da Machava

15.00h – Matchedje-Fer. Nampula

imagem corporativa do moçambola
DOMINGO

Campo do Maxaquene (Machava)

15.00h – Liga Muçulmana-Desportivo

Ex-Campo do Maxaquene (Baixa)

15.00h – Atlético Muçulmano-Chingale

Campo do Desportivo de Tete

15.00h – HCB de Songo-Fer. Maputo

Campo da Soalpo

15.00h – Textáfrica-Maxaquene

Estádio 25 de Junho

15.00h – Fer. Nacala-Fer. Beira

Estádio Municipal 1º de Maio

15.00h – FC Lichinga-Costa do Sol

No Campeonato Mundial de Natação: Moçambicanos batem cinco recordes nacionais

CINCO recordes nacionais é o saldo conseguido pelos nadadores que participam nos Campeonato Mundial da modalidade que decorre desde o dia 19 deste mês em Roma, Itália.

No Campeonato Mundial de Natação: Moçambicanos batem cinco recordes nacionais
Para já está fora de hipóteses a possibilidade de a Selecção Nacional disputar lugares de pódio neste evento que conta com os melhores atletas do mundo.

Para este evento, a equipa técnica, constituída pela dupla Frederico dos Santos e Aristides Gumende, quer comparar o nível de nadadores nacionais ao de outros atletas africanos que compõem as selecções continentais que provavelmente farão igualmente parte do Campeonato Africano a realizar-se nas Maurícias em Outubro próximo. São os casos de Géssica Stagno e Jéssica Cossa, ambas do Golfinhos, e Faina Salate, do Ferroviário de Maputo, que constituem a base do grupo feminino. Aliás, do grupo que concorre para o “Africano” das Maurícias a equipa técnica optou pela escolha de femininos.

Entretanto, dos cinco recordes absolutos fixados até esta altura dois são individuais e foram batidos por Mónica Bernardo nos 100 metros mariposa, Leonel Matonse nos 50 mariposa e por Ivo Chilaúle nos 50 bruços.

Os máximos absolutos de estafetas foram registados nas provas de 4x100 metros livres masculinos e femininos. O recorde masculino foi conseguido pelo quarteto Leonel Matonse, Gerúsio Matonse, Ivo Chilaúle e Patrício Vera. O feminino foi fixado pelo também quarteto constituído por Mónica Bernardo, Géssica Stagno, Jéssica Cossa e Faina Salate também nos 4x100. Foram igualmente batidos dois recordes nacionais de categoria nos 50 e 100 metros costas por Jéssica Cossa.

Frederico dos Santos destacou que a participação moçambicana está a corresponder às expectativas, atendendo que apenas um recorde absoluto foi registado na época passada. A aposta nas estafetas, tendo em vista atacar os mínimos africanos e mundiais, está igualmente a surtir os efeitos desejados, o que se justifica pelo aparecimento dos dois recordes nacionais absolutos.

Mónica Bernardo é a nadadora com a melhor prestação individual, porém não estará presente nas Maurícias, porque está fora da idade estabelecida pela Federação Internacional de Natação (FINA) para o campeonato em perspectiva.

Basquetebol – Campeonato de Seniores da Cidade: Desfile de rainhas no regresso da prova

A DESILUSÃO ditada pelo desempenho menos conseguido da selecção feminina de basquetebol nos II Jogos da Lusofonia, disputados recentemente em Lisboa, já lá vai.

Desfile de rainhas no regresso da prov
O mesmo sucede com a caminhada para esquecer de APolitécnica nas Universíadas Mundiais, realizadas em Belgrado. Agora, os adeptos da bola-ao-cesto concentram-se para as competições intramuros, cujo regresso, esta noite, contempla um verdadeiro desfile de rainhas, com o confronto entre Desportivo e a APolitécnica, a partir das 20.00 horas, no pavilhão das “alvi-negras”.

Nas quatro linhas estarão vários nomes sonantes do nosso básquete feminino, casos de Anabela Cossa, Kátia Halar, Nádia Rodrigues, Valerdina Manhonga e Ondina Nhampossa, pelas “alvi-negras”, Ana Flávia Azinheira, Aleia Rachide, Amélia Macamo e Tânia Wachene, do lado das “universitárias”, numa partida que se perspectiva bastante envolvente, dado que a questão do título continua em aberto e qualquer destes dois conjuntos ainda pode se sagrar campeão.

Referente à quinta jornada da segunda volta, este jogo será antecedido do Maxaquene-Ferroviário, às 18.45 horas, com as “locomotivas”, que também se perfilam na corrida ao título, em melhores condições de saírem vitoriosas.

Outro desafio da ronda colocará frente-a-frente APolitécnica “B” e Eagles, pelas 18.45 horas, no pavilhão do Estrela Vermelha, com a turma-viveiro das “universitárias” como favorita.

LIGA VODACOM

Depois do apuramento da Real Sociedade e do Desportivo da Beira, em representação do sul e do centro, respectivamente, a Liga Nacional de Basquetebol Vodacom estará novamente em acção a partir de hoje, com a disputa da fase regional norte, tendo como palco o pavilhão do Ferroviário de Nampula.

Quatro equipas concorrem à transição para a fase regional, designadamente Benfica de Quelimane, Ferroviário de Nampula, Académica de Lichinga e Desportivo de Pemba. De acordo com o programado, o sorteio da prova terá lugar esta manhã, para logo à noite se iniciar a disputa pela única vaga nortenha na próxima etapa.

À partida, duas formações apresentam-se como fortes candidatas ao primeiro lugar. Trata-se do Benfica de Quelimane e do Ferroviário de Nampula, mercê de alguma competição que foram tendo no período que antecedeu esta fase, cujos jogos serão disputados entre hoje e domingo.

Recorde-se que os apurados da fase regional – Real Sociedade e Desportivo da Beira já o fizeram – juntar-se-ão aos qualificados Ferroviário de Maputo, Maxaquene, Desportivo, Costa do Sol e Ferroviário da Beira. As oito equipas jogarão entre si no sistema de todos contra todos, em duas voltas, transitando os quatro primeiros para a fase dos “play-off”.

Ferroviário de Nampula na fase nacional da Taça

O Ferroviário de Nampula apurou-se, quarta-feira, para a fase nacional da Taça de Moçambique em Futebol, mercê do triunfo sobre o seu homónimo de Nacala por uma bola sem resposta, na derradeira eliminatória regional norte.

Estes “craques” têm que ser substituídos
Em maus lençóis no Moçambola-2009, ocupando neste momento a penúltima posição, à frente do Ferroviário de Nacala, os “locomotivas” da capital nortenha apostam forte na segunda maior competição do calendário futebolístico nacional, na tentativa de proporcionar algum alento aos seus já desesperados adeptos.

Na fase nacional, o Ferroviário de Nampula junta-se ao Ferroviário de Maputo, Costa do Sol, Atlético Muçulmano e Clube de Gaza, apurados pela zona sul; Ferroviário da Beira, Têxtil do Púnguè e HCB de Songo, pelo centro.

De salientar que o sorteio está inicialmente agendado para 12 de Agosto.

Massa aguarda alta e brinca com regresso de Schumacher

A RECUPERAÇÃO de Felipe Massa continua evoluindo positivamente. Ontem, o piloto esteve com a família no quarto, recebeu amigos e já quer saber quando é que vai sair do Hospital Militar de Budapeste.

Filipe Massa encontra-se no Hospital Militar de Budapeste
Ao ser avisado de que será substituído por Michael Schumacher no GP da Europa, em Valência, o piloto brincou. “Precisa de saber se o vou autorizar", disse ao seu médico particular, Dino Altman.

Segundo o próprio Altman, em entrevista ao fim da tarde de ontem, a recuperação de Massa evolui cada vez mais. Ele já tomou banho e alimentou-se normalmente. Como recebeu respiração artificial e ficou deitado por alguns dias, o brasileiro está a fazer exercícios respiratórios.

Massa, de acordo com Altman, já questiona sobre a sua alta. Para isso, ele aguarda uma decisão dos médicos húngaros. Diante da evolução positiva no quadro do piloto, a equipa médica fará uma reunião hoje para decidir sobre o assunto.

A expectativa, inclusive, é de que ele vá directo para casa, em Montecarlo, no principado de Mónaco, e não mais para o outro hospital. No início da semana, chegou a ser cogitada uma transferência para Paris.

Tudo indica, agora, que Massa continuará a sua recuperação no Principado de Mónaco. Os planos para o futuro e o período fora das pistas de Fórmula 1 ainda estão sendo estudados e devem ser divulgados quando Massa deixar o hospital.

As primeiras previsões são de que Massa fique afastado até ao fim da temporada. Até que ele esteja prontamente recuperado, Schumacher usará o Ferrari número 3.

Campeonato de Futsal da Cidade de Maputo: Liderança à prova

O AL Mahid terá um verdadeiro teste à sua liderança quando hoje, a partir das 20.30 horas, no pavilhão da Académica, defrontar o Desportivo, um dos potenciais candidatos ao título em partida da quarta jornada do Campeonato de Futsal da Cidade de Maputo.

Grandes emoções são vividas no campeonato de Futsal da cidade
A missão do Al Mahid adivinha-se difícil visto que os “alvi-negros” são um “osso” duro de roer.

O Al Mahid lidera com nove pontos, mais três que o Desportivo, Liga Muçulmana e Atlético Muçulmano, embora estas últimas três equipas tenham um jogo a menos.

Numa ronda susceptível de alterações no topo, as atenções estarão viradas para o “derby” muçulmano entre a Liga e o Atlético. O encontro realiza-se às 21.30 horas no mesmo recinto.

A abrir a jornada, o Mahafil mede forças com o 1º de Maio, a partir das 19.30 horas.

quinta-feira, 30 de Julho de 2009

O futuro dos “Mambas” reside nesta rapaziada

O FUTURO dos “Mambas” é promissor desde que se faça um trabalho contínuo e regular a nível da selecção de Sub-23, que ontem demonstrou uma certa qualidade que é justificada pela vitória sobre o combinado principal do Lesotho, por 3-1, em partida amigável realizada no campo do Costa do Sol.

MIGUEL Chau, técnico-adjunto dos **“Mambas”**
Os tentos moçambicanos pertenceram todos a Tony, o jovem ponta-de-lança do Ferroviário da Beira, que assim veio provar que é uma aposta a contar com ela futuramente a nível da selecção “A”, os “Mambas”. Aliás, esta foi a apreciação do adjunto técnico dos “Mambas”, Miguel Chau, que orientou a equipa. Chau salientou que a partida com os basutho deu indicações sobre as possíveis alternativas a serem encaixadas na selecção “A”, que já requer algum reforço sobretudo no ataque.

O seleccionador nacional, Mart Nooij, esteve a acompanhar o jogo da bancada principal do campo dos “canarinhos” com o objectivo de tirar ilações em relação a cada um dos atletas que evoluíram no terreno, à busca de soluções para os “Mambas” e, no entender de Miguel Chau, ele terá saído satisfeito e com algumas indicações sobre as prováveis apostas para a selecção “A” que, no próximo dia 5 de Setembro, defrontará o Quénia, em mais uma partida de qualificação para o CAN e Mundial-2010.

Os prognósticos lançados para este jogo por alguns dos atletas seleccionados para o encontro foram confirmados na prática, visto que a equipa apresentou-se com uma estrutura equilibrada, que revelou algum conhecimento mútuo entre os seleccionados e uma boa interpretação táctica, que culminou com a vitória, por 3-1.

Houve um perfeito entendimentos entre os sectores: O quarteto defensivo constituído inicialmente por Butana, Mexer, Zainadine Júnior e Mayunda, revelou-se bastante coeso. No meio-campo, Josimar, pela direira, e Ruben, pela esquerda, apoiados por Nelsinho e Mustafá foram aguerridos e a experiência dos alas foi preponderante para catalizar o jogo ofensivo e valeu a técnica apurada de Tony na finalização. Maninho, que fazia a dupla com Tony, é que se revelou algo apático, mas soube colaborar com o seu companheiro de ataque.

MAIS JOGOS DE CONTROLO

Para além de servir de diagnóstico da capacidade dos atletas que possam ser elegíveis para os “Mambas”, o jogo de ontem foi um teste para a participação no primeiro torneio de futebol da CPLP de Sub-23, que se realizará em princípios de Setembro no Brasil. Miguel Chau voltou a vincar a necessidade de pôr a equipa a rodar regularmente, tendo em conta que é a base para o futuro dos “Mambas”.

A selecção de esperanças não se movimentava desde 2007, razão que pode ser relacionada com a crise de opções a nível da selecção “A”. Segundo Chau, a selecção de Sub-23 precisa de uma média de 100 jogos por ano, sendo a que está mais próxima da principal, por forma a oferecer várias alternativas aos “Mambas”.

Aliás, Chau anotou que nos países onde o futebol é sério, as selecções de esperanças estão constantemente em rodagem, através de participação em vários torneios internacionais. Disse, por exemplo, que a maior parte das selecções de Sub-20 que participaram nos Jogos da Lusofonia tem uma média de 60 jogos por ano, razão pela qual se revelaram mais astutas em relação ao combinado nacional.

SALVADOR NHANTUMBO

Agitação dos adeptos do Costa do Sol: João Chissano diz que está tranquilo

OS burburinhos que se verificaram no final do encontro entre o Costa do Sol e o Atlético Muçulmano, no último domingo, com os adeptos “canarinhos” a pedirem a demissão de João Chissano, numa reivindicação ao empate caseiro a zero golo, parece não ter causado qualquer tipo de preocupação ao técnico, que em declarações ao “Notícias” revelou que o grupo está ainda mais fortalecido e moralizado.

João Chissano Treinador do Costa do Sol diz que está tranquilo
Para João Chissano o grupo de pessoas que se insurgiu contra ele após o desafio com o Atlético, exigindo o seu afastamento do cargo de treinador principal não se identifica com os adeptos do Costa do Sol na medida em que em cerca de trinta anos ao serviço da colectividade, primeiro como jogador, afirma nunca ter vivido uma situação idêntica. Conheço muito bem o Costa do Sol e a gente que rodeia esse grande clube; por isso fiquei surpreendido quando me deparei com uma situação como aquela. Adeptos, que para mim não são do Costa do Sol, foram encomendados por alguém que não sei quem é, a atacarem-nos num momento em que precisamos de ser acarinhados.

Questionado sobre quem poderia estar a querer desestabilizar o clube, Chissano respondeu: Não sei quem está a tentar enfraquecer-nos. Vocês (Imprensa) tirem as conclusões que quiserem, mas eu não acredito que sejam adeptos do Costa do Sol.

Para argumentar a sua tese de que o grupo de pessoas que pediu a sua demissão não pertence aos “canarinhos”, conta ter passado por momentos piores, mas que nunca no final de um jogo os adeptos estiveram em pé de guerra com o treinador. A família “canarinha” sempre soube conviver com os empates e as derrotas. Soube sempre ser desportista e não atirar pedras sobre pessoas que tanto como eles querem o bem do clube.

Será que o facto de o Costa do Sol ter perdido um ponto na secretaria pela utilização irregular de Mambo não terá irritado os adeptos e levado que estes se aproveitassem para descarregar a sua fúria numa partida em que as coisas não correrem bem? Acredito que esse episódio possa ter irritado aos adeptos, porque ninguém gosta de perder pontos, ainda por cima na secretaria. Mas penso que é algo que ficou para trás e não deve servir de desculpa para comportamentos desagradáveis.

VOLTA POR CIMA

João Chissano mostra-se confiante numa recuperação dos “canarinhos” já a partir do próximo jogo. Vamos regressar às vitórias. A equipa está bem e, apesar de tudo, moralizada para lutar pela vitória. É nosso objectivo conquistarmos o título. Nada está perdido. Há 27 pontos ainda por disputar.

Aquele técnico defende que este é um momento que a equipa precisa de ser forte, inteligente, competente e revelar uma grande capacidade para não se deixar abalar pelas forças externas que vão surgindo. A título de exemplo apontou para algumas más prestações da arbitragem que têm, no seu entender, anulado golos legais ao Costa do Sol, isto para além da recente agitação dos adeptos.

De acordo com o timoneiro da equipa “canarinha”, outro aspecto que tem enfraquecido o “team” é a gritante onda de lesões que tem fustigado, sobretudo, o ataque. São no total quatro os jogadores que estão lesionados, a saber: Tó, Marufo, Félix e Júnior. Neste momento só conto com um avançado, o Perry. O Tó e o Marufo, os melhores marcadores da equipa com cinco e seis golos, respectivamente, não podem dar o seu contributo. A equipa tem se ressentido com estas ausências na medida em que as oportunidades de golo surgem a cada jogo, mas existe um défice de finalização.

Concluindo, João Chissano revelou ter contrato com o Costa do Sol até final de Dezembro e que se depender dele cumprirá até ao fim, não estando posta de lado a hipótese de renovação, caso a direcção do clube assim o pretenda.

Boxe apetrecha vitrina “locomotiva”

O BOXE, apesar de não ser uma das modalidades prioritárias no clube, continua a ser aquele que mais troféus deve meter no Ferroviário de Maputo nos últimos anos, pois tem dominado todas as competições, tanto na cidade de Maputo, como a nível nacional.

Boxe regressa aos palcos
No passado fim-de-semana, em mais um torneio, desta feita denominado Electrimac, que serviu de preparação para os Campeonatos da Cidade de Maputo e Nacional, os pugilistas do Ferroviário voltaram a errar menos nos golpes que os seus opositores, principalmente os do Matchedje, que de combate em combate vão perdendo algumas qualidades e faculdades(!), não se sabendo se será por falta de treinos ou por outra desmotivação qualquer.

A verdade é que a música “locomotiva” é a única que tem sido dançada ultimamente na Praça de Touros, onde se realizam as provas. O Matchedje perdeu em definitivo a hegemonia que vinha detendo, mesmo depois daquela geração de luxo de Lucas Sinoia, Archer Fausto, Jerónimo Tomé, entre outros.

Porém, o boxe que se assiste hoje perdeu muita qualidade com indisciplina à mistura. Alguns pugilistas apresentam-se ao ringue embriagados e incitam os seus fãs à violência, mesmo sabendo que perderam o jogo. Os árbitros são outra dor de cabeça. Por exemplo no último fim-de-semana, não se sabe por alma de quem, primaram pela ausência, mesmo depois de terem sido comunicados oficialmente da realização deste torneio.

Resultado? É tudo uma bandalheira e se medidas correctivas não forem tomadas, não tarda muito que escorra sangue (não de touro, mas de pessoa) na Praça de Touros.

Eliminatórias para o “Mundial” de voleibol: Selecção Nacional afina-se para Tunis

A SELECÇÃO Nacional de Voleibol iniciou terça-feira a sua preparação com vista ao Campeonato Africano de apuramento para o “Mundial” que decorrerá na Itália no próximo ano.

Selecção Nacional de Voleibol afina-se para Tunis
O treino realizou-se no campo da Escola Secundária da Polana sob a batuta do técnico cubano, Carlos Garcia, seleccionador nacional, e do adjunto Ângelo Lourenço.

A primeira sessão baseou-se em treinos de apuro físico e técnico. Mas ontem, com o objectivo de apetrechar também a componente táctica, o combinado nacional efectuou um jogo de controlo com a Académica “M”, uma das melhores equipas do país. A equipa moçambicana comportou-se bem. Notaram-se bons movimentos junto no bloqueio e no ataque. Aliás, é de destacar o bom andamento competitivo dos jogadores, visto que as competições decorrem a bom ritmo desde Abril.

É de realçar também o bom entrosamento do grupo, se se atender que em Maio disputaram, na cidade de Maputo, a primeira fase das eliminatórias para o “Mundial”. Moçambique ficou em terceiro nessa prova tendo ganho o direito de estar na etapa derradeira a ter lugar em Tunis, Tunísia, de 11 a 17 do próximo mês.

A equipa moçambicana é composta por 12 jogadores, que, aliás, já foram inscritos na Federação Internacional de Voleibol.

Maputo Jet´s, com cinco atletas, é o que cede mais jogadores à turma nacional, enquanto Académica fornece quatro. O Costa do Sol, campeão nacional e da cidade de Maputo, contribui com três.

A lista final dos que vão representar o país no apuramento para o “Mundial” de 2010.

MAPUTO JET´S: Manuel Nhambi, Osvaldo Machava, Archer Tembo, Justino Tobela e Carlos Hamilton;

ACADÉMICA: Manuel Mavale, Njangira Caetano, Ernesto Chongo e Carlos Macamo;

COSTA DO SOL: João Manjaque, Bonomar Macucua e Délcio Soares.

Difícil missão

PREVÊ-SE uma missão muito difícil para a Selecção Nacional de Voleibol na corrida pelo apuramento para o Campeonato do Mundo. Logo na estreia, a 14 de Agosto, a equipa moçambicana esgrime forças com a Tunísia, uma das maiores potências do continente, quiçá a de maior poderio, a par do Egipto.

Assim sendo, é provável que a equipa moçambicana não consiga alcançar uma vitória frente a este gigante de África e fique pelo caminho, visto que se apura apenas o primeiro classificado para o “Mundial”. Aliás, as atenções da equipa moçambicana deverão estar viradas para os desafios frente a Argélia e o Quénia, a 15 e 16 de Agosto, respectivamente, pois são teoricamente mais acessíveis comparativamente à Tunísia. O ataque ao segundo lugar, ou pelos menos fugir os últimos postos é a meta que se antevê mais realista.

O Egipto, 15 vezes campeão africano, é o principal candidato a carimbar o passaporte para Itália, num grupo onde fazem parte as Maurícias e o Zimbabwe, equipas que mediram forças com Moçambique na primeira fase de qualificação.

JOGOS DE MOÇAMBIQUE

14 de Agosto

18:00 h – Tunísia-Moçambique

15 de Agosto

16:00 h – Moçambique-Argélia

16 de Agosto

16:00 h – Moçambique-Quénia

É mais fácil falar com Obama do que com Messi - reacção do seleccionador da Argentina, Maradona, que fala das diferenças entre jogar e treinar

DIEGO Armando Maradona, o seleccionador da Argentina, confirmou recentemente que não vai abandonar o cargo para rumar à Premier League, via Portsmouth, reassumindo o compromisso que mantém com a Federação Argentina até 2011.

DIEGO Armando Maradona, o seleccionador da Argentina
Aquele que é por muitos considerado como o melhor futebolista de sempre, voltou a conceder uma entrevista onde abordou vários temas. A sua passagem a treinador e a ascensão de Leonel Messi à figura mundial foram os temas em destaque, numa conversa que manteve com o diário argentino “Olé.”

Sobre a sua chegada ao comando da “alvi-celeste”, Maradona sublinhou as dificuldades e exigências deste cargo e, divertido, exemplificou: "Era mais fácil ser jogador porque só pensava em agarrar na bola e divertir-me. Agora tenho de comandar vinte e tal atletas. Ainda num dia destes, estamos no treino e há um livre para ser batido pelo Messi. Eu estava lá perto e vejo o Messi atirar contra a barreira. A bola sobra para o meu pé esquerdo, estava mesmo a jeito, e eu deserto para a rematar, mas aparece-me outro jogador e fica com ela. É nestas situações que me dou conta das diferenças."

"É mais fácil falar com Obama do que com Messi", revelou Maradona a propósito da relação à distância que mantém com o jogador do Barcelona, prosseguindo: "É encantador trabalhar com Messi. É um prazer que torna tudo fácil. Traz a bola colada ao pé, como se fizesse parte do seu corpo, como ainda não vi ninguém fazer e olhem que já vi jogar muitos jogadores como Van Basten, Careca e Houseman, por exemplo. Mas ninguém é como Messi. Ele é o meu Maradona e não há nenhum jogador mais importante que ele."

Quanto ao que pode transmitir aos seus seleccionados, o treinador considera que a sua experiência pode ser importante: "Sei que o melhor que lhes posso dar é toda a minha experiência e é nisso que baseio o meu trabalho. As experiências que me correram bem, mas também aquelas que correram mal. Sempre encarando os jogadores de sempre porque assim me ensinaram Menotti, Bilardo, às vezes Basile e Miguel Angel López."

Maradona não deixou o seu passado conturbado em branco: "Dava as duas pernas para voltar atrás e ver crescer as minhas filhas. É muito difícil ser Maradona mas, ao mesmo tempo é lindo sê-lo, apesar de todas as adversidades. E a culpa não foi dos meus “velhos” porque não foram eles que ensinaram a tomar drogas. Fi-lo porque fui estúpido, pensava que era o Hércules mas não passava de um idiota."

Massa deixa “urgências”

FELIPE Massa deixou ontem a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Militar de Budapeste. O piloto brasileiro recupera-se bem após o acidente sofrido no sábado, durante a segunda etapa do treino para o GP da Hungria.

Massa recupera satisfatioriamente
A transferência de Massa para a enfermaria neurológica do hospital é mais um passo importante na recuperação. Ontem, um exame de ressonância magnética mostrou resultados animadores, segundo o médico particular do piloto, Dino Altman, que já havia previsto a saída da terapia intensiva.

Em mais um dia de boa evolução no seu quadro clínico, Massa andou pela primeira vez desde o acidente. Caminhou pelo quarto e voltou a conversar com amigos e familiares. Chegou a perguntar sobre a corrida de domingo e lamentou não ter participado da prova.

Nos próximos dias, ainda segundo a equipa, Massa continuará em observação no hospital húngaro. É possível que seja transferido para Paris, atendendo à vontade da família, ou que volte para Mónaco, onde mora, para continuar o tratamento em casa nas próximas semanas.

O retorno do piloto às pistas ainda é tratado com cautela pela equipa médica. Mas para Dino Altman, médico particular do piloto, a tendência é que ele retorne às pistas - não há, no entanto, um prazo estipulado para isso.

terça-feira, 28 de Julho de 2009

Selecções moçambicanas nos Jogos Africanos de Maputo-2011: Saber aproveitar os talentos saídos dos Jogos Escolares - recomenda Presidente Armando Gueb

APESAR de termos exactamente dois anos pela frente para a realização da 10ª edição dos Jogos Africanos de Maputo-2011, a preparação das nossas selecções deve começar já, incidindo nos aspectos físico, técnico e psicológico, tendo sempre presente um melhor aproveitamento dos talentos que desabrocharam do recente Festival Nacional dos Jogos Escolares, realizado em Lichinga.

Selecções moçambicanas nos Jogos Africanos de Maputo-2011
Esta recomendação foi dada pelo Presidente da República, Armando Guebuza, quando, no sábado, procedia ao lançamento da gigantesca campanha nacional em redor das olimpíadas continentais, defendendo que somente dessa forma Moçambique poderá estar à altura de conquistar medalhas e competir com as grandes potências desportivas africanas.

Para o Chefe do Estado moçambicano, paralelamente à excelente capacidade de organização que devemos emprestar ao evento, facto que exigirá o empenho e abnegação de todos nós, temos que também investir na preparação dos nossos atletas, pois, para eles, “Maputo-2011” será um desafio de dimensão particular.

“Com efeito, eles terão a dupla missão de, por um lado, acolher os seus próprios adversários com a hospitalidade que caracteriza o moçambicano. Por outro, eles far-se-ão aos campos e às pistas para responderem às expectativas nacionais de medalhas e marcas melhoradas, competindo com os seus irmãos africanos que os acolheram de braços abertos à sua chegada e fora das competições”, explicou.

Estabelecendo a ponte com outros grandes acontecimentos desportivos que se projectam para os próximos dois anos, Armando Guebuza disse que os Jogos Africanos têm a particularidade de decorrer no intervalo entre CAN e Mundial de 2010, em Angola e na África do Sul, respectivamente, e os Jogos Olímpicos de Londres-2012. Segundo ele, acolher a maior festa desportiva africana, 46 anos após a sua proclamação, constitui um reconhecimento ao trabalho que temos vindo a realizar, no campo da formação, da reabilitação e da construção de infra-estruturas desportivas.

“Queremos que o movimento dos Jogos Africanos de Maputo-2011, que hoje se desencadeia, induza a uma maior prática do desporto nas escolas, nos bairros e nos locais de trabalho. Os professores, os pais e encarregados de educação e os proprietários e dirigentes de instituições públicas e privadas podem impulsionar este movimento, orientados pelas estruturas especializadas do Governo e pelas federações e associações. O Desporto, para além de promover o espírito de equipa e de complementaridade, entre nós, contribui para a consolidação da Unidade Nacional e para a criação de referências nacionais para os nossos jovens”, afirmou o Presidente da República.

Falando perante uma audiência que incluía muitos desportistas, Guebuza anunciou a constituição, há dias, do Comité Organizador dos Jogos Africanos de Maputo-2011, conhecido pela sigla COJA Maputo-2011. Trata-se, segundo referiu, de um fórum que congrega diversas sensibilidades, incluindo membros do Governo, desportistas, empresários e outros representantes da sociedade civil.

“Este comité tem como pressuposto a criação de condições para que subamos a fasquia do nosso desempenho na organização de eventos desta natureza e para que os nossos hóspedes transportem no seu imaginário momentos memoráveis sobre a sua estadia entre nós. Conduzir com brio e profissionalismo toda a máquina organizativa e ser capaz de mobilizar e enquadrar as energias e vontades de muitos outros moçambicanos é outro desafio ao alcance do COJA Maputo-2011”, concluiu

Historial do nosso país: Sete medalhas em sete edições

DATA de 1978, portanto, três anos após a proclamação da independência nacional, a participação do nosso país nos Jogos Africanos.

lurdesmutola1
Tal aconteceu em Argel, uma edição que encerraria um ciclo que somente viria a ser retomado em 1987, em Nairobi. Segundo deu a conhecer o Ministro da Juventude e Desportos, Fernando Sumbana Júnior, em sete presenças, Moçambique conquistou outras tantas medalhas, sendo quatro de ouro, duas de prata e uma de bronze.

As medalhas de ouro pertencem a Lurdes Mutola (Cairo-91 e Harare-95), selecção feminina de basquetebol (Cairo-91) e Leonor Piúza (Argel-07). As de prata foram ganhas por Argentina da Glória e pela selecção feminina de básquete, na mesma edição (Harare-95). A medalha de bronze foi conquistada pelo pugilista Lucas Sinóia, em Nairobi-87, por sinal, a primeira para o nosso país nas Olimpíadas africanas.

Fazendo um breve historial do evento, Fernando Sumbana explicou que a ideia da concepção dos Jogos Africanos data de 1920 e foi impulsionada com o objectivo de contribuir para a promoção do espírito olímpico no seio dos atletas africanos e fortalecimento da fraternidade e solidariedade dos povos deste continente. A edição de 2011 tinha sido atribuída à Zâmbia, mas que, decorridos cerca de dois anos após a adjudicação e por razões ponderosas, desistiu de acolher o evento.

Ministro da Juventude e Desportos (MJD)
“Perante esta realidade, e considerando que a decisão era no sentido de que fosse a zona austral de África a acolher esta edição, os países da região solicitaram a Moçambique para que aceitasse o desafio de se candidatar, tendo em conta a reconhecida capacidade organizativa do nosso país.

Moçambique aceitou o desafio, porquanto os Jogos Africanos constituem um evento de inegável interesse internacional e nacional e mais uma sublime possibilidade de projecção da imagem de Moçambique globalmente”, disse o ministro.

Segundo a fonte, o acontecimento implica uma organização multissectorial, uma adequada articulação entre as várias instituições do Governo e entre estas e a sociedade civil, empresários, desportistas, jornalistas, artistas, entre outros, na concepção e realização do evento, dada a sua magnitude e a envolvente socioeconómica de incomensurável vulto

Básquete Show/mcel: Josina Machel já está nas “meias”

JOSINA Machel tornou-se na primeira equipa a apurar-se para as meias-finais do Torneio Juvenil entre escolas em masculinos, denominado Básquete Show/mcel, ao vencer, no sábado, no pavilhão do Maxaquene, a Polana, por 51-29, em partida da segunda jornada do Grupo 2.

Básquete Show/mcel: Josina Machel já está nas “meias”
A turma da Josina Machel garantiu o apuramento para as meias-finais ao ser a única a obter a segunda vitória consecutiva no grupo, assegurando, desta feita, uma das duas primeiras posições que dão acesso à próxima fase.

A escola que leva o nome da maior heroína da luta pela Independência de Moçambique, fez jus ao nome e foi a primeira a arrecadar um lugar entre as melhores quatro formações do mega-evento.

Noutro embate do grupo, houve muita emoção dentro e fora do rectângulo de jogo. Francisco Manyanga precisava de ganhar para carimbar o passaporte para as “meias”, no entanto Noroeste 1 travou uma luta titânica e acabou vencendo, por 26-22, uma diferença de apenas quatro pontos que espelha o quão foi equilibrado este confronto.

Noroeste 1 e Francisco Manyanga irão assim decidir na última jornada quem seguirá para as meias-finais quando defrontarem Josina Machel e Polana, na terceira e última jornada. Polana, com duas derrotas em igual número de partidas realizadas, está afastada da próxima fase.

TUDO EM ABERTO

O Grupo 1 foi disputado a um nível ainda mais excitante e reluzente. As escolas do Estrela Vermelha e da Matola, vencedoras da primeira e segunda edições, respectivamente puseram todas as equipas em igualdade de circunstâncias na luta pelas “meias”, ao ganharem a Zedequias Manganhela, por 47-25, e Zona Verde, por 35-18.

As quatro equipas seguem empatadas com três pontos para a derradeira ronda.

RESULTADOS:

Zedequias Manganhela, 25-Estrela Vermelha, 47; Matola, 35-Zona Verde, 18; Francisco Manyanga, 22-Noroeste 1, 26, Josina Machel, 51-Polana, 29.

Basquetebol – Liga Vodacom: Favoritos transitam

OS prognósticos e conjecturas confirmaram-se: Real Sociedade, da cidade de Maputo, e Desportivo da Beira transitaram para a fase regular da Liga Nacional de Basquetebol Vodacom, mercê dos seus indiscutíveis triunfos no decorrer da qualificação regional havida entre sexta e domingo.

Desportivo e C. Sol disputam torneio da ABCM
Numa competição em que estiveram envolvidos, para além da Real Sociedade, o Matolinhas, da província do Maputo, a EMAF Construções, de Gaza, e a Universidade Sagrada Família, de Inhambane, a turma da capital do país ganhou por 75-67 aos matolenses e 134-47 aos gazenses.

Por seu turno, o Desportivo da Beira, em partidas realizadas no pavilhão dos Desportos do Chiveve, bateu Académica de Tete por 95-49 e derrotou Liga Muçulmana de Chimoio pela marca de 81-75. A turma do Planalto de Manica havia vencido os “estudantes” por 119-55.

No próximo fim-de-semana, terá lugar no pavilhão do Ferroviário de Nampula o apuramento regional norte, envolvendo representantes da província anfitriã, da Zambézia, do Niassa e de Cabo Delgado.

O qualificado do norte juntar-se-á à Real Sociedade e ao Desportivo da Beira, que na fase regular estarão com os já apurados Ferroviário de Maputo, Maxaquene, Desportivo, Costa do Sol e Ferroviário da Beira.

Fórmula 1: Filipe Massa em coma

FELIPE Massa pregou um valente susto a quem assistia à qualificação do GP da Hungria. Na segunda sessão, e num dos sectores mais rápidos de Hungaroring, o piloto brasileiro da Ferrari perdeu o controlo do seu monolugar, chocando contra a barreira de protecção a 193 km/hora.

O brasileiro Felipe Massa (Ferrari)
O acidente foi provocado por uma peça do Brawn-Mercedes de Rubens Barrichello, que se soltou e atingiu Massa na zona frontal do capacete. Inconsciente, o piloto foi evacuado de helicóptero, tendo recuperado os sentidos antes de entrar no hospital AEK de Budapeste.

O diagnóstico revelou comossão cerebral e uma lesão craniana, pelo que os médicos optaram por submeter o piloto a uma intervenção cirúrgica à arcada supraciliar do olho esquerdo. Felipe Massa passou o dia nos cuidados intensivos, está em coma induzido e com prognóstico algo preocupante.

A corrida vai realizar-se sem Felipe Massa e com Fernando Alonso (Renault) na frente. O espanhol conseguiu a 18ª pole-position da sua carreira - primeira em 2009 - e logo na pista que lhe deu o primeiro triunfo na F.1, em Agosto de 2003, quando tinha 22 anos. As performances dos Red Bull de Vettel e Webber têm batido a concorrência e por isso mesmo Alonso já avisou, como que dando a entender que partirá com pouco combustível: "Creio que perderei posições na corrida".

Na Hungria, Jaime Alguersuari (Toro Rosso-Ferrari) começou por despertar atenções, mas o acidente de Massa e a pole de Alonso ofuscaram o mais jovem piloto da história do paddock. No domingo, Alguersuari ficou parado depois de a sua equipa ter desligado o contacto eléctrico com o motor.

BARRICHELLO "NÃO EXISTEM COINCIDÊNCIAS"

O momento do acidente reavivou a memória do trágico dia que vitimou Ayrton Senna, em 1994, e a agitação em torno de Massa foi maior quando ainda há poucos dias o automobilismo perdeu em pista Henry Surtees, de apenas 18 anos, filho de um ex-campeão de F.1. Rubens Barrichello foi o primeiro a lembrá-lo logo depois de ter visitado Massa no hospital: "Não acredito em coincidências.

As coisas acontecem por um motivo e acho que este foi o segundo aviso. Imola foi um aviso. Os carros evoluíram. Infelizmente, perdemos um rapaz, o que é muito triste e não é uma coincidência que isto tenha acontecido agora. Na reunião de pilotos já tínhamos discutido o assunto. Temos de aprender com isto e melhorar as coisas". "Fui visitá-lo , porque já passei pelo mesmo e queria dar-lhe apoio caso a família ainda não tivesse chegado”.

Curso promovido pela FIFA: Árbitros de futebol em reciclagem

OS árbitros nacionais de futebol estão desde sábado último num curso de reciclagem promovido pela Federação Internacional de Futebol (FIFA), em Maputo, em colaboração com a instituição que gere a modalidade rainha no país, a FMF.

logo da fifa
Neste curso, que tem lugar no Estádio 1º de Maio/Standard Bank e que se prolongará até quinta-feira, a FMF espera que os treinadores venham a enriquecer as suas capacidades técnicas de modo a dirigirem com zelo e dedicação os jogos internos e assim concorrerem para a sua eleição a nível internacional.

O trabalho da arbitragem tem sido alvo de críticas internamente. Isto acontece sobretudo a nível do Moçambola, onde as polémicas têm sido constantes, face ao mau trabalho dos homens do apito, situação que não ajuda o melhoramento da qualidade do futebol no país.

De salientar que participam no curso 30 árbitros, entre juízes e assistentes. Para além de melhorarem a qualidade técnica dos árbitros nacionais, o curso surge para actualizá-los em matéria de regras de jogo, que têm sido alvo de mudanças constantes com objectivo de tornar cada vez mais bonito o espectáculo.

O curso é ministrado por três instrutores da FIFA, nomeadamente o português Carlos Henrique, os brasileiros António Pereira e Jorge Gomes.

Um outro curso, desta feita para instrutores de arbitragem dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), decorrerá de 1 a 6 de Agosto, também em Maputo. Trata-se de um curso adiado há sensivelmente dois meses por razões logísticas para acomodar os mais de 10 cursantes provenientes de Cabo Verde, Angola, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe.

Moçambique vai participar neste curso com cincoárbitros, nomeadamente Venildo Mussane (presidente da CNAF), César Fontes (vice-presidente), Artur Máximo (secretário), Joaquim Daniel (Sofala) e Alfredo Chirindza (Nampula), enquanto as restantes delegações contarão com dois cada. Feito isto, caberá aos cursantes promover a formação de árbitros internamente.

Romário condenado a três anos e meio de prisão

ROMÁRIO foi condenado por um tribunal brasileiro a cumprir três anos e meio de prisão.

O jogador Brazileiro Romário
A pena foi decretada na sequência de um processo em que o antigo futebolista foi considerado culpado de evasão fiscal.

O crime de fuga ao fisco remonta a rendimentos obtidos entre 1996 e 1997, período em que Romário jogava no Flamengo. Durante essa altura, o antigo jogador terá escondido uma série de informações às Finanças.

Para além dos três anos e meio de prisão, Romário foi condenado a pagar 625 mil euros. Relativamente à pena de prisão, e dado tratar-se de uma condenação inferior a quatro anos, o antigo jogador pode trocá-la por trabalho comunitário.

Eto'o em Milão quer ganhar Liga dos Campeões

SAMUEL Eto'o, avançado camaronês que foi um dos protagonistas da "transferência do Verão", como a apelidou José Mourinho, já está em Milão.

SAMUEL Eto
À chegada ao novo clube, Eto'o revelou querer "trabalhar para ganhar a Liga dos Campeões", o que constituiria a sua terceira, depois das duas conquistadas no Barcelona.

O camaronês aterrou no Aeroporto de Linate às primeiras horas da manhã de ontem e mostrou-se "bastante feliz por estar no Inter", elogiando o seu novo presidente, Massimo Moratti: "É uma pessoa com grande coração."

Antes de partir rumo aos habituais exames médicos, Eto'o fez questão de felicitar os seus novos companheiros pela vitória diante do arqui-rival AC Milan, em Boston (EUA), por 2-0

sexta-feira, 24 de Julho de 2009

Jogos Africanos-2011 lançados oficialmente

COM pompa e circunstância, numa cerimónia que se prevê bastante concorrida, será oficialmente lançada amanhã a 10ª edição dos Jogos Africanos Maputo-2011, o maior evento desportivo continental que trará até nós milhares de atletas em busca da glória, um ano antes dos Jogos Olímpicos de Londres.

Presidente Armando Guebuza
O lançamento do certame, no Centro Internacional de Conferências Joaquim Chissano, será dirigido pelo Presidente da República, Armando Guebuza, que já é o patrono do evento.

Com a presença de altos dignitários do Estado moçambicano, membros do Conselho de Ministros, do Corpo Diplomático, empresários, jornalistas e desportistas, a cerimónia, para além dos discursos da praxe, compreenderá diversas etapas, como por exemplo a apresentação por 52 crianças das bandeiras de todos os países africanos, bem como a entrega ao Presidente da República, pela nossa menina de ouro Lurdes Mutola, da bandeira oficial dos Jogos Africanos, a ser hasteada em Moçambique até ao último dia do evento. Estes actos serão intercalados por momentos culturais envolvendo alguns dos melhores artistas do país.

Mutola e Karina Pinto em treinos na Africa do Sul
Com o lançamento dos Jogos Africanos Maputo-2011 pelo respectivo patrono, estarão, assim, criadas as condições para que a máquina organizativa que está sendo constituída pelo Ministério da Juventude e Desportos deite mãos à obra, iniciando desse modo o longo e duro processo de montagem de todas as condições infra-estruturais, logísticas e desportivas inerentes ao evento. Será uma caminhada a envolver muita gente e várias instituições, dado que organizar um certame como os Jogos Africanos é extremamente complicado.

Um dos passos a ser imediatamente dado é a constituição do Comité Organizador, conhecido pela sigla COJA, o qual se multiplicará por várias subcomissões encarregues de aspectos específicos. O Comité Organizador será o “cérebro” de tudo quanto é necessário fazer para que efectivamente o nosso país leve a bom porto esta Olimpíada continental.

Segundo projecções avançadas pelo Ministério da Juventude e Desportos, os Jogos Africanos de Maputo decorrerão entre os dias 3 e 18 de Setembro de 2011, envolvendo cerca de 20 modalidades.

BASQUETEBOL–LIGA NACIONAL VODACOM - Discute-se acesso à fase regular

O ACESSO à fase regular da Liga Nacional de Basquetebol Vodacom, em seniores masculinos, entra esta noite na ordem do dia, nos pavilhões do Estrela Vermelha, em Maputo, e dos Desportos da Beira, locais onde até domingo serão conhecidos os apurados pelas zonas sul e centro para a etapa mais aliciante da prova.

Liga Nacional de Basquetebol Vodacom, em seniores masculinos
Em relação à região norte, a qualificação decorrerá na próxima semana, no pavilhão do Ferroviário de Nampula.

Por enquanto, estão fora da competição os gigantes da nossa bola-ao-cesto, estando o seu lugar reservado a partir da fase regular. Aliás, os seus jogadores, neste momento, encontram-se integrados na selecção nacional e a cumprir um estágio em Portugal, tendo em vista o Afrobásquete Líbia-2009, entre os dias 5 e 15 de Agosto. Referimo-nos, concretamente, ao Desportivo, Ferroviário de Maputo, Maxaquene, Costa do Sol e Ferroviário da Beira, os cinco melhor classificados na Liga Vodacom do ano transacto.

Deste modo, as emoções da prova, a partir de hoje, envolvem sete equipas, sendo quatro da zona sul, designadamente Real Sociedade, da cidade de Maputo, Matolinhas, da província do Maputo, EMAF Construções, de Gaza, e Universidade Sagrada Família (UNISAF), de Inhambane; e três do centro, a saber: Académica, de Tete, Desportivo da Beira, de Sofala, e Liga Muçulmana, de Manica.

Segundo o figurino da prova, esta fase será disputada no sistema de todos contra todos, numa volta, transitando o primeiro classificado para a etapa regular.“A priori”, Real Sociedade, pela zona sul, e Desportivo da Beira, pelo centro, são os conjuntos melhor posicionados para conquistar a qualificação, sem desprimor, naturalmente, dos outros participantes, sobretudo porque o seu nível competitivo é desconhecido.

JOGOS PARA HOJE

ZONA SUL

Pavilhão do Estrela Vermelha

18.30 – UNISAF-EMAF

20.00 – MATOLINHA-REAL SOC.

ZONA CENTRO

Pavilhão dos Desportos da Beira

20.00 – ACADEMIA TETE-LIGA MUÇULMANA DE CHIMOIO

Preparação para o Afrobásquete: Selecção termina estágio em Coimbra

A SELECÇÃO Nacional de Seniores Masculinos termina hoje o seu estágio em Coimbra, Portugal, tendo como horizonte o Afrobásquete Líbia-2009. A preparação da turma moçambicana, iniciada segunda-feira, decorreu no Pavilhão Multidesportos.

Esta passagem da selecção por Coimbra conta com o apoio da autarquia, através do Departamento de Desporto, Juventude e Lazer.

Como ponto alto da sua passagem por Coimbra, a selecção realiza hoje, pelas 21 horas (22 de Maputo), no Pavilhão Multidesportos, um jogo com uma selecção de atletas da região de Coimbra.

Recorde-se que, antes do estágio em Coimbra, a formação orientada por Carlos Alberto Niquice (Bitcho) tomou parte, igualmente em Portugal, na segunda edição dos Jogos da Lusofonia, tendo a sua prestação não sido das melhores.

No Afrobásquete da Líbia, Moçambique está no Grupo B, na cidade de Benghazi, juntamente com Angola, crónica campeã continental, Egipto e Mali.

Quénia inicia preparação do jogo com os Mambas

A SELECÇÃO do Quénia inicia domingo um estágio de preparação para o embate de 6 de Setembro no Estádio da Machava, diante dos Mambas, a contar para a quarta jornada do Grupo B de qualificação para CAN e Mundial de 2010

Genito entre dois quenianos, no embate de Junho, em Nairob
O seleccionador Antoine Hey convocou, para o efeito, um grupo de 25 jogadores, incluindo os médios Ibrahim Kitawi, Franklin Obare e Dennis Mukaisi, que actuam no campeonato local.

No anterior confronto entre Quénia e Moçambique, a 20 de Junho passado, em Nairobi, os quenianos venceram por 2-1. O grupo é liderado pela Tunísia com sete pontos, seguida da Nigéria cinco, Quénia três e Moçambique um ponto.

Eis a lista dos jogadores convocados: David Okello, Jaktone Odhiambo, Wilson Oburu, Pascal Ochieng, Julius Owino, Geoffrey Kokoyo, George Owino, Abdulatif Omar, Thomas Wanyama, James Situma, Jockins Atudo, Ibrahim Kitawi, Fred Ojwang, Evans Wandera, Humphrey Mieno, Joseph Njuguna, George Odhiambo, Duncan Owiti, Frankloin Obare, Dennis Mukaisi, John Mwangi e Abdulwahab Musa.

Sven-Goran Eriksson num clube da III Divisão

O NOTTS County, da League Two, divisão terciária, é o ponto de partida para o regresso de Sven-Goran Eriksson à Premier League.

Sven-Goran Eriksson num clube da III Divisão
Foi o próprio treinador sueco, agora com funções de director desportivo, quem o admitiu quarta-feira, à chegada a Nottingham.

“É o maior desafio da minha carreira. Sempre disse que queria voltar à Premier League, porque é a melhor liga no mundo. Escolhi um caminho difícil para o conseguir, vai demorar alguns anos, mas estou certo de que o conseguiremos. É muito bom estar aqui de novo (em Inglaterra). E o tempo é o mesmo, para variar”, brincou Eriksson, de 61 anos, durante a apresentação no novo clube, considerado um dos mais antigos do mundo em actividade (fundado em 1862).

O antigo adjunto de Eriksson na selecção inglesa, Tord Grip, acompanha-o no novo projecto.

Eto'o negoceia com Inter

A AMEAÇA do Barcelona de avançar com uma proposta de 75 milhões de euros por Ibrahimovic, deixando Samuel Eto´o fora do negócio, parece ter servido para fazer avançar o acordo de troca com o Inter de Milão.

Ibrahimovic  jogador do Inter do Milão
O empresário do camaronês, Josep Maria Mesalles, esteve na quarta-feira reunido com os dirigentes do clube italiano e deu passos seguros para a transferência.

Samuel Eto´o está convencido a aceitar a mudança para Milão, ele que referiu não ser moeda de troca, e já se discutem os detalhes.

O AVANÇADO Eto’o, do Barcelona
Pelo menos foi essa a informação que passou o empresário do atleta. “Na sexta (hoje) vamos ter outra reunião e penso que será então que chegaremos a um acordo com o Inter”, disse Josep Maria Mesalles.

Recorde-se que Inter e Barcelona chegaram a um acordo para a troca de Ibrahimovic por Eto´o, sendo que o primeiro seguia para Nou Camp e o segundo se juntava ao plantel de José Mourinho. O Barcelona emprestava ainda o extremo Hleb por uma época e acrescentava cerca de 40 milhões de euros. Nesta altura só falta o acordo de Eto´o com o Inter.

quinta-feira, 23 de Julho de 2009

Campeonato de Karting da Cidade de Maputo: Luta titânica na liderança

A CINCO jornadas da conclusão do Campeonato de Karting da Cidade de Maputo, está cada vez mais complicado qualquer vaticínio em relação ao seu vencedor.

Motores vão roncar bem alto no dia 19 deste mês
É que a luta titânica pela liderança, que vem sendo protagonizada pelos pilotos Connor Hughes e Bruno Campos, neste momento desaconselha um eventual prognóstico, facto que aumenta ainda mais a expectativa em redor da competição. Na quinta prova, havida domingo no kartódromo do Automóvel Touring Clube de Moçambique (ATCM), o triunfo pertenceu a Hughes, que desse modo ultrapassou o seu grande rival, passando a comandar a tabela classificativa com 171 pontos.

Num dia em que o kartódromo contou com a presença de muito público, e com um número considerável de pilotos, a quinta prova foi disputada num ambiente bastante animado, com os concorrentes a darem o máximo de si em busca dos lugares cimeiros, tanto nos Max Challange, como noutras duas categorias, designadamente GP Júnior e Max Júnior.

Relativamente ao Max Challange, os 10 pilotos participantes cedo evidenciaram que protagonizariam uma corrida equilibrada, tendo em conta o nível que registaram nos treinos cronometrados. No epílogo de uma prova espectacular e bastante renhida, Connor Hughes não teve contemplações, ganhando à frente de Bruno Campos, anterior líder do campeonato, e de Varinde Júnior.

Quatro pilotos mediram forças na categoria de Max Júnior, com o jovem Benjamim Heineken, mercê de uma condução segura, a sagrar-se vencedor sem quaisquer problemas. As posições subsequentes pertenceram a Manuel Brazuna, Freddie Nunes e a Megan Prinnsloo, esta última do sexo feminino, que teve a particularidade de conquistar a “pole position”.

Aliás, na sequência dos resultados desta prova, é importante referir que Megan, guia da tabela classificativa, terá que buscar mais arte nas próximas corridas, de forma a não ser ultrapassada pelos seus perseguidores, neste caso Brazuna, Nunes e Heineken.

Na categoria dos mais novinhos, o GP Júnior, destaque para o facto de já ser notório algum talento, prenunciando assim um futuro promissor e mais renhido. O piloto Aidan Hughes, para além de ter sido o mais rápido nos treinos cronometrados, foi quem dominou os acontecimentos em todas as etapas, deixando para trás Victor Figueiredo, Tiaz de Matos e Tomás Brazuna.

No quadro das classificações, Connor Hughes vai na dianteira do Max Challange com 171 pontos, seguido de Bruno Campos 165, Norberto Varinde 135, Tiago Fonseca 111 e Pedro Perino 104. Megan Prinsloo comanda no Max Júnior com 190 pontos, à frente de Freddie Nunes 157, Manuel Brazuna 153 e Benjamim Heineken 134. Por seu turno, Aidan Hughes lidera nos GP Júnior com um somatório de 194 pontos, seguido de Tomás Brazuna 187, Tiaz de Matos 169, Victor Figueiredo 145 e Renier Peinnar 104 pontos.

BASQUETEBOL DE SENIORES MASCULINOS - Liga Nacional entra em cena

COM novas roupagens e outros condimentos que procurarão conferir ao certame não somente qualidade do ponto de vista de competição como também de organização e de atractivos que ajudem a cativar o público amante da modalidade, a Liga Nacional de Basquetebol Vodacom já aí está.

Jogo da Liga Nacional de Basquetebol Vodacom entre o Desportivo e Academica
Trata-se da segunda edição que promete ser uma verdadeira festa da bola-ao-cesto e levar as suas emoções a diversas cidades moçambicanas, numa altura em que o escalão de seniores masculinos, internamente, está a resgatar o seu espaço, tal como ficou patente, por exemplo, na caminhada final do recente campeonato maputense.

Por enquanto, a Liga Vodacom cinge-se à fase regional, com as zonas sul e centro a abrirem as hostilidades já amanhã à noite, nos pavilhões do Estrela Vermelha, na capital do país, e dos Desportos da Beira. Em relação ao norte, a prova terá o seu começo no dia 31 de Julho corrente.

logo da vodacom
Embora a grelha de jogos somente venha a público ao fim da tarde de hoje, quando se realizarem os respectivos sorteios, já são conhecidos os participantes na competição. Trata-se da Real Sociedade, da cidade de Maputo, Matolinhas, da província do Maputo, EMAF Construções, de Gaza, e Universidade Sagrada Família (UNISAF), de Inhambane, pela zona sul; Académica, de Tete, Desportivo da Beira, de Sofala, e Liga Muçulmana, de Manica, pelo centro.

De acordo com o figurino da competição, jogar-se-á no sistema de todos contra todos, numa única volta, qualificando-se o primeiro classificado para a fase regular, a iniciar nos finais de Agosto. Tendo em conta a experiência dos seus atletas e sobretudo da prova de fogo por que passaram nos respectivos campeonatos provinciais, Real Sociedade e Desportivo da Beira são os potenciais candidatos à transição, a não ser que aconteça uma surpresa extraordinária.

Em relação à zona norte, cujo palco de jogos é o pavilhão do Ferroviário de Nampula, a discussão centrar-se-á, sobretudo, entre o representante desta província e o da Zambézia, aos quais se juntarão na prova as formações de Cabo Delgado e Niassa.

Os três vencedores regionais estarão na fase regular com os cinco primeiros classificados da Liga Vodacom de 2008, designadamente Ferroviário de Maputo, Maxaquene, Desportivo, Costa do Sol e Ferroviário da Beira.

O sistema de disputa será de clássico todos contra todos em duas voltas, com jornadas duplas. Significa isto que cada equipa realizará um jogo no seu campo e o outro no terreno do adversário, qualificando-se quatro formações para a fase final, também designada de “play-off”.

Maxaquene ainda é candidato ao título – José Solomone Cossa, presidente da Comissão Administrativa dos “tricolores”

A ÉPOCA futebolística da equipa sénior do Maxaquene não tem corrido de feição. São muitos os sobressaltos que têm marcado o ano 2009, desde a inércia na escolha do novo presidente após a saída de Rafindine Mahomed, até às trocas sucessivas de treinador.

José Solomone Cossa, presidente da Comissão Administrativa dos “tricolores”
Só este ano, os “tricolores” já vão no terceiro técnico (Litos, Zoran Pesic e agora Zainadine), e os resultados não aparecem. O modesto quinto lugar que ocupa no Moçambola é o reflexo evidente dos momentos conturbados por que passa um dos mais prestigiados emblemas nacionais.

Todavia, este cenário desolador é algo que parece não preocupar Solomone Cossa, presidente da Comissão Administrativa da colectividade, que em declarações ao “Notícias” afastou qualquer “fantasma” de crise, defendendo que os “tricolores” respiram estabilidade dentro e fora de campo.

Aliás, confiança e boa disposição não faltam ao dirigente que revelou ainda acreditar na conquista do título, embora as vitórias teimem em não aparecer. “A direcção do Maxaquene está bem. Temos conseguido pôr a equipa a treinar sem problemas. Os jogadores não têm que se queixar. Temos oferecido boas condições. Pena que as vitórias não apareçam porque se forem a ver, o Maxaquene está a praticar um bom futebol. Por isso continuarei a acreditar no título até ao fim”.

Solomone Cossa atribui algumas responsabilidades aos árbitros pelo facto do Maxaquene não estar a ganhar alguns jogos. Aponta como exemplo o golo invalidado contra o Ferroviário, em desafio da 15ª jornada do Moçambola, por suposto fora-de-jogo, que segundo ele não chegou a existir.

Questionado sobre o mais recente episódio nas hostes “tricolores” e que surpreendeu a tudo e todos: a saída do sérvio Zoran Pesic, de treinador principal, em menos de duas semanas, Solomone Cossa esclareceu: Zoran Pesic comunicou-nos que já não queria continuar a treinar o Maxaquene. Alegou para tal motivos pessoais que não foram devidamente explicados. Deixámo-lo seguir porque ainda estava num período de observação e também achamos que não valeria a pena prender uma pessoa que não estava com vontade de trabalhar connosco.

Mas teria havido algum motivo que levasse o sérvio a renunciar o cargo tão cedo?

Ele tinha todas as condições para trabalhar. Não vinha dando mostras de estar insatisfeito com alguma coisa.

APOSTA EM ZAINADINE

É na prata da casa que recai a aposta da direcção do Maxaquene para o comando técnico até ao final da época. É neste sentido que Zainadine Mulungo, que desempenhava a função de adjunto, primeiro do português Litos e depois do sérvio Zoran Pesic, está incumbido de orientar os “tricolores” até à última jornada do Moçambola. Vamos trabalhar com um treinador da casa até ao final da época, a menos que aconteça algo inesperado. Mas a nossa aposta é mesmo em Zainadine pois acreditamos que ele tem qualidade para levar o Maxaquene a bom porto.

“Locomotivas” já não vão à África do Sul

A DESLOCAÇÃO dos campeões nacionais de futebol para a África do Sul, prevista para o próximo fim-de-semana e cuja finalidade era a participação num torneio internacional a convite das autoridades desportivas locais, já não irá acontecer devido ao cancelamento da competição em perspectiva.

"Locomotivas" venceram na Cadeia Civil: Olhos na bola olhos na esperança
O Ferroviário ganhou alguma notoriedade no país vizinho quando, no princípio da presente temporada, efectuou o seu estágio de preparação com vista à Liga dos Campeões, na qual viria a ser eliminado pelos ugandeses do Kampala City. Nessa ocasião, efectuou jogos com alguns dos principais conjuntos do futebol sul-africano, com os quais, aliás, se encontraria no torneio ora cancelado.

Devido à viagem para a África do Sul, os “locomotivas” haviam solicitado à Liga Moçambicana de Futebol a marcação do seu desafio com o Matchedje, a contar para a 17ª jornada do Moçambola, para quarta-feira da próxima semana, dia 29 de Julho. No entanto, porque a deslocação já não se concretizará, o referido jogo está agora agendado para domingo, a partir das 15.00 horas, no Estádio da Machava.

No mesmo dia (domingo), terão lugar os embates Desportivo-Maxaquene, Ferroviário de Nampula-Textáfrica, Chingale-HCB de Songo e Ferroviário da Beira-FC Lichinga, enquanto na véspera, sábado, realizam-se os jogos Costa do Sol-Atlético Muçulmano e Liga Muçulmana-Ferroviário de Nacala.

Experiências muito proveitosas - Inácio Sambo, treinador de futsal, faz um balanço positivo do curso da CAF

INÁCIO Sambo, uma das figuras incontornáveis de futsal nacional, participou, por indicação da Federação Moçambicana de Futebol (FMF), num curso de nível básico virado para a formação de treinadores e instrutores.

Trinador da selecção nacional de futsal
O curso foi promovido pela CAF e teve lugar de 15 a 20 do presente mês em Tripolli, Líbia. Sambo, que exerce a função de treinador principal do Desportivo, mostrou-se extremamente satisfeito com a forma como decorreu a formação, visto que, segundo ele, foi possível analisar temas que certamente contribuirão para o desenvolvimento do futsal no Continente Africano.

Foi uma experiência muito proveitosa, onde estiveram presentes treinadores de onze países africanos, alguns dos quais à procura de aprender o ABC do futsal. Deu para colher mais alguns ensinamentos sobre as metodologias técnicas que irei procurar passar aos meus colegas num momento oportuno. Como foi um curso virado também para formação de instrutores aproveitei tirar o máximo proveito nesse aspecto e vi que existem diferenças abismais entre ser-se treinador e ser-se professor de futsal, aquele que realmente forma novos técnicos, disse Sambo.

Durante o curso, Sambo constatou que Moçambique está acima da maioria dos países africanos no que toca à organização e seriedade com que trata o futsal. Deu para tirar algumas ilações no que diz respeito à organização do futsal nos respectivos países. Apresentei o nosso programa de actividades e um pouco do historial e os dirigentes da CAF ficaram maravilhados. Posso dizer que apenas a Líbia e o Egipto mostraram um trabalho mais aturado. O resto dos países presentes denotou muitas lacunas organizativas.

Neste que foi o primeiro curso de futsal promovido pela CAF, Inácio Sambo defendeu ter sido muito importante, pois, para além do curso, principal objectivo da sua presença, serviu para trocar ideias e colher sugestões sobre o que deve ser feito para tornar o futsal africano cada vez mais competitivo. Esteve em análise a possibilidade de solicitar à FIFA o aumento de representantes africanos no “Mundial”. Esta é uma ideia que havia sido levantada por Moçambique no curso da FIFA em 2005, quando sugerimos a presença de duas selecções africanas. Essa meta foi alcançada agora. A luta passa por introduzir três países do Continente Africano.

Um outro ponto que foi discutido à margem do curso foi a possibilidade de o Campeonato Africano realizar-se de dois em dois anos, e não de quatro em quatro como vem acontecendo. Esta foi uma questão levantada também por Moçambique e tudo indica que vai ser julgada procedente pela CAF se se atender que já se equaciona a realização de um Campeonato Africano em 2010. O último “Africano” decorreu na Líbia em 2008.

Sambo revelou que a CAF terá ficado de tal forma agradada com o bom percurso que Moçambique vem tendo a nível da promoção de cursos de treinadores, do plano de competições a nível de selecções e equipas que tenciona organizar o próximo curso no país, mais concretamente na cidade de Maputo.Para além de Moçambique participaram no curso Líbia, Egipto, Zimbabwe, Uganda, Tanzânia, Maurícias, Egipto, Gâmbia, Quénia e Eritreia.

Torneio da COSAFA será no Zimbabwe

O ZIMBABWE foi designado, sob condição, para albergar a edição de 2009 do Torneio da COSAFA. No entanto, segundo as autoridades desportivas locais, para que esta escolha seja confirmada, o país deverá, nomeadamente, procurar 700 mil dólares americanos e dar garantias no tocante ao alojamento, ao transporte e à alimentação dos participantes.

 Confederação Africana de Futebol ..
O Zimbabwe fez o possível para que lhe fosse atribuída a organização deste torneio de futebol, que agrupa os países da África Austral, em Setembro ou no início de Outubro.

Esta manifestação servirá de ensaio geral antes da fase final do “Mundial” de 2010, na África do Sul, e o Zimbabwe aproveitará esta oportunidade para tentar atrair para o seu território países que participarão nesta competição mundial.

As autoridades estão optimistas quanto às capacidades do Zimbabwe para preencher os requisitos exigidos pelos responsáveis da COSAFA (Confederação de Futebol da África Austral).

“Provincias” de Nampula e Zambézia: Liderança repartida

A CASA Issufo Futebol Clube da cidade de Nampula voltou ao comando do Campeonato Provincial de Futebol da primeira divisão, ao vencer por uma bola a zero no passado fim- de-semana, fora de portas, o até então líder isolado da prova, o Desportivo de Nacala, em partida em atraso a contar para a oitava jornada da primeira volta do certame, somando 23 pontos cada.

Na outra partida, que igualmente foi realizada para o acerto do calendário, o Benfica de Nampula, ao vencer por três bolas a zero, o Ingúri de Angoche, subiu da oitava para a sexta posição na tabela classificativa, contando agora com 16 pontos, atrás da dupla Moçambique Futebol Clube e Angoche Clube de Desportos, que têm, cada, 18 pontos, no final da primeira volta, ou seja, depois de rodadas onze jornadas.

A prova que entra próximo fim-de-semana na sua fase derradeira, a segunda volta, tem na quarta posição o Sporting de Nampula, que com um início titubeante, em três jornadas sucessivas somou igual número de derrotas, tendo inclusive dispensado os serviços do seu técnico principal e em sua substituição indicado Carlos Williamo que, por sinal, veio emprestar uma nova dinâmica à equipa, resgatando as pretensões dos sócios leoninos. Soma actualmente 21 pontos, menos um que o seu homónimo de Monapo que ocupa o terceiro lugar com 22 pontos.

O Benfica de Monapo, que soma 14 pontos, ocupa a quinta posição, seguido do Hospital Central de Nampula com dez, Sporting de Angoche com nove, Inguri da mesma cidade com sete e o último é o Sporting com apenas dois pontos em 33 possíveis.

A abrir a segunda volta, os eternos rivais da cidade de Angoche, o Inguri e o Sporting batem-se entre si, enquanto as equipas do Sporting de Monapo e de Nampula medem forças entre si, naquele que é considerado o jogo mais importante da ronda.

O Angoche Clube dos Desportos recebe no seu terreno o “lanterna vermelha”, o Sporting da Faina e, por seu turno, o Desportivo terá pela frente o Hospital Central, para o Benfica de Nampula ter uma deslocação difícil à Ilha de Moçambique, onde deverá defrontar o Futebol Clube local, enquanto a Casa Issufo vai receber o Benfica de Monapo.

“CLÁSSICO” À VISTA

O Ferroviário e 1º de Maio, ambos de Quelimane, defrontam-se domingo no campo do Sporting, em desafio a contar para a primeira jornada da segunda volta do Campeonato Provincial de Futebol da Zambézia. O clássico que está a ser preparado com bastante cuidado pelas duas formações vai arrastar multidões aficionadas pelo desporto-rei para o relvado dos “leões” de Quelimane. As duas equipas estão no topo da classificação da prova, nomeadamente 21 e 18 pontos, sendo os “locomotivas” os comandantes do certame.

O jogo, aguardado com inusitada expectativa, poderá trazer algumas alterações na pauta geral de classificação. Os “locomotivas” levam para este desafio dois cenários, nomeadamente o de empate e vitória, pois os dois resultados colocam o Ferroviário numa situação de relativa tranquilidade e o 1º de Maio FC lhe interessa apenas uma vitória para igualar na tabela classificativa com o líder.

As duas colectividades estão a preparar o jogo com bastante arrojo e estoicismo. O treinador do 1º de Maio, José Lobo, disse à nossa Reportagem que continua a formar uma equipa mais entrosada porque quer somar mais pontos para liderar a prova, daí que a vitória é uma grande preocupação.

A primeira jornada da segunda volta do campeonato começa a ser disputada no sábado no campo dos “locomotivas” de Quelimane. O Matchedje defronta o Atlético 25 de Setembro, enquanto o Ferroviário de Mocuba joga com o Sporting.

No domingo, no campo de Sporting, o Gumula FC mede forças com o 3 de Fevereiro a anteceder o clássico da jornada. Na sede distrital de Morrumbala, o Morrumbala FC recebe o Vila Pita.

A prova é liderada pelo Ferroviário com 21 pontos, 1º de Maio com 18, Vila Pita 16, Sporting 15, Ferroviário de Mocuba 14, Matchedje e Gumula ambos com 11, FC Morrumbala e Atlético 25 de Setembro com seis e o “lanterna vermelha” tem quatro pontos.

Entretanto, roda no fim-de-semana a segunda jornada do torneio de abertura em juniores na cidade de Quelimane. O Sporting joga com o Francês FC e o Ferroviário mede forças com o Gumula.

quarta-feira, 22 de Julho de 2009

Maxaquene e C. Sol disputam torneio da ABCM

MAXAQUENE e Costa do Sol disputam amanhã, a partir das 20.45 horas, no pavilhão do Desportivo a final do torneio da Associação de Basquetebol da Cidade de Maputo em seniores masculinos.

Desportivo e C. Sol disputam torneio da ABCM
“Tricolores” e “canarinhos” seguem a final depois de terem sido as únicas equipas a somarem por vitórias os jogos disputados ao longo da competição.

Ao todo foram quatro as partidas que ambos realizaram. Para chegar à final o Maxaquene eliminou a Real Sociedade (74-46), enquanto o Costa do Sol humilhou o Aeroporto (95-32).

Noutros jogos, que serviram para cumprir calendário, o Ferroviário bateu a Académica (39-37) e o Desportivo, por seu turno, esmagou o Eagles (96-35).

DESPORTIVO VS APOLITÉCNICA

A final em femininos será disputada pelo Desportivo e APolitécnica, a partir das 18.45 horas, no mesmo recinto. Adivinha-se uma luta titânica e carregada de emoção visto que ambos “teams” têm revelado nos últimos anos serem as mais equilibradas não só a nível da capital como do país.

Para estarem na final o Desportivo venceu o Ferroviário (59-49). Já APolitécnica beneficiou do facto de o sorteio ter-lhe apurado directamente para a final.

BÁSQUETE SHOW - Campeão fica pelo caminho

A ESCOLA Secundária da Matola, campeã da edição de 2008 do Básquete Show, foi afastada da prova no pretérito fim-de-semana ao perder com a Zedequias Manganhela por 24-27 em partida dos quartos-de-final.

A ESCOLA Secundária da Matola conquistou, sábado, a segunda edição do “Basquete Show”
O Estrela Vermelha, vencedor da primeira edição em 2007, também ficou pelo caminho, ao sair derrotado do confronto com a Zona Verde por 31-43.

Com as derrotas da Matola e Estrela Vermelha ficou assente que a terceira edição deste torneio juvenil entre escolas da bola-ao-cesto produzirá um novo vencedor.

A Francisco Manyanga protagonizou o triunfo mais volumoso dos “quartos” ao ganhar a Polana, por 36-21, uma margem de 15 pontos que espelha o nível qualitativo das equipas.

A Josina Machel, por sua vez, venceu convincentemente a Noroeste 1 por 37-26.

Assim sendo, estão apuradas para as meias-finais que se realizam no sábado as escolas da Zedequias Manganhela, Zona Verde, Francisco Manyanga e Josina Machel.

Básquete feminino nos Jogos da Lusofonia: Nazir reconhece que houve pouco trabalho

A SELECÇÃO Nacional de Basquetebol de Seniores Femininos era tida, à partida para a segunda edição dos Jogos da Lusofonia, em Lisboa, como favorita à conquista da medalha de ouro, que ostentava desde a primeira edição, em Macau, em 2006.

Nazir Salé e suas jogadoras numa das interrupções do jogo com Portuga
Mas, chegados ao terreno, provou-se o contrário. As jogadoras moçambicanas, muitas delas, passaram ao lado da competição não atinando com as orientações do técnico e muito menos interpretarem da melhor forma a filosofia do jogo que se impunha em cada partida e para cada adversário. O resultado dessa desatenção toda foi o quarto lugar, atrás de Portugal, Brasil (Sub-19) e Angola, este último com quem perdemos na luta pela medalha de bronze (terceiro lugar).

Vários factores são apontados pelo respectivo seleccionador nacional, Nazir Salé, para este fracasso, com maior incidência para a falta de um trabalho mais acentuado e à dimensão deste evento. Aliás, para nós, faltou a auto-estima na equipa nacional. É certo que a ausência das irmãs Clarisse e Zinóbia Machanguana, sobretudo a primeira, terá tido, de alguma forma, influência no fraco rendimento da equipa na derradeira ronda, mas, no cômputo geral, notou-se que são necessárias reformas de fundo, porque algumas jogadoras já se arrastam!

No final do torneio, Nazir Salé falou aos jornalistas moçambicanos que acompanharam a segunda edição dos Jogos da Lusofonia sobre o desempenho da equipa. Primeiro, analisou o jogo contra Angola, aquele que ditou o afastamento de Moçambique do último lugar do pódio, e depois perspectivou o futuro, incidindo para o Campeonato Africano, que terá lugar ainda este ano.

“Acho que quando as coisas não nos correm bem há sempre um certo desequilíbrio, mas continuo a acreditar no grupo de trabalho. Neste jogo tivemos uma desvantagem de 10 pontos, conseguimos recuperar, mas há que melhorar em termos de trabalho, ou seja, temos que corrigir o que não conseguimos fazer, que é marcar pontos fáceis. Tivemos muitas oportunidades de marcar pontos fáceis e não convertemos.

E, quando isto acontece no decorrer do jogo, muito antes do final, acaba afectando o nosso trabalho. Acredito que foi um bom torneio. Hoje (domingo) já jogámos sem duas atletas por infelicidade, e quero aproveitar a presença da Imprensa para endereçar os meus profundos sentimentos de pesar à família Machanguana. Mas acredito que, para aquilo que eram os nossos propósitos, que é o Campeonato de África, vamos continuar a trabalhar arduamente, tentar melhorar e encontrar os índices que pretendemos para atacar o Afrobásquete.

Quero também pensar que, por aquilo que foi o torneio, defrontámos uma equipa bastante experiente, que Portugal; Angola, que até certo modo já é uma equipa estruturada para o Campeonato Africano, e ainda uma selecção brasileira que, apesar de ter 19 anos, joga de uma forma adulta, com fundamentos firmados e luta do primeiro ao último minuto. Acredito que levamos o recado para casa e vamos trabalhar arduamente. Não vamos desistir, principalmente para encontrarmos uma selecção em que qualquer jogadora que fizer parte na ponta final esteja em condições de atacar o “Africano”.

Sobre a montagem de uma estrutura para que Moçambique ataque o Campeonato Africano de Madagáscar, Nazir Salé afirmou: “temos uma lista alargada de jogadoras. Como nós todos sabemos, há jogadoras que não fizeram parte desta selecção por causa dos compromissos dos seus clubes a nível internacional, mas acho que este grupo merece todo o nosso respeito. E vai continuar a merecer. E as restantes jogadoras que fazem parte da Selecção Nacional também vão. Por isso vamos trabalhar em conjunto, com todas as jogadoras, perspectivando o que poderá ser a melhor estrutura para o Campeonato de África”.

O “Notícias” questionou o seleccionador se, pelo que se viu em Portugal, não terá havido falta de trabalho para que o basquetebol feminino moçambicano terminasse numa melhor classificação do que a obtida, Nazir Salé não foi de rodeios.

“Eu parto do princípio de que no desporto é assim: há que dar prioridade ao desenvolvimento de qualquer selecção nacional e de qualquer equipa, mas nós temos que ter os dois pés bem assentes no chão e perspectivarmos gradualmente aquilo que podem ser as diferenças. Contudo, devo dizer que é preciso continuar a trabalhar. É preciso encontrarmos aquilo que vai ser o volume de trabalho.

Para este torneiro, tentámos começar muito antes daquilo que era o calendário e tivemos, sem dúvidas, cerca de um mês de trabalho, mas não trabalhamos afincadamente (duas vezes por semana). Mas isso não pode servir de desculpa. Acho que vamos regressar com a lição bem estudada.

Tirámos ilações e vamos continuar a trabalhar, perspectivando aquilo que será a nossa grande dimensão. Vamos aumentar o volume de treino e corrigir os erros cometidos aqui. Vamos trabalhar aquilo que são as características de cada jogadora.

Trabalhar, trabalhar sempre é o que promete Nazir Salé, seleccionador nacional de básquete feminino, depois de ter ficado em quarto lugar no Torneio da Lusofonia, terminado domingo em Lisboa.

Gil Carvalho

PREPARAÇÃO PARA CAN E MUNDIAL DE 2010 - Zimbabwe desiste do jogo amigável com os Mambas

O PROGRAMA competitivo de preparação dos Mambas, tendo em vista a campanha para CAN e Mundial de 2010, acaba de sofrer um revés.

 PROGRAMA competitivo de preparação dos Mambas, tendo em vista a campanha para CAN e Mundial de 2010
O agendado encontro amigável de 12 de Agosto, em Maputo, entre a selecção nacional e a sua congénere do Zimbabwe já não terá lugar, face à intempestiva desistência dos nossos vizinhos, alegadamente devido à quezílias internas entre a federação e os jogadores, após uma recente deslocação à Malásia. Tendo em conta esta contrariedade, e porque a Federação Moçambicana de Futebol pretende, de facto, proporcionar uma partida amigável aos Mambas, antes do desafio de 6 de Setembro, frente ao Quénia, no Estádio da Machava, estão sendo desencadeados, neste momento, esforços no sentido de se encontrar um outro adversário disponível, entre Namíbia e Malawi.

Segundo nos revelou uma fonte da FMF, a desarmonia no seio da selecção zimbabweana tem a ver com questões financeiras. É que, depois do regresso da Malásia, onde a equipa efectuou uma série de jogos, os atletas exigiram compensações monetárias que aparentemente teriam sido pagas pelos malaios. O facto gerou muita celeuma, com os jogadores inamovíveis nas suas pretensões e a federação também se mostrando irredutível na sua posição de não pagar nenhum “cachet”, alegando não existir. Face a este braço-de-ferro, a decisão acabou tendo repercussões para nós, pois ficou cancelada a vinda para o jogo particular com os Mambas.

A desistência do Zimbabwe está já a criar dores de cabeça à nossa federação, pois os seus planos de conferir uma componente competitiva na preparação da selecção ficaram baralhados, sendo necessário, doravante, montar um novo cenário, para o mesmo 12 de Agosto ou para uma outra data. Namíbia é uma forte hipótese, até porque já havia sido contactada na mesma altura em que se equacionou o Zimbabwe. Malawi, a nova alternativa, embora se mostre favorável ao convite, prefere que sejam os Mambas a jogar lá, sustentando que já esteve cá em duas ocasiões para encontros amigáveis.

Entretanto, enquanto os dirigentes federativos se desdobram em contactos para achar um adversário para a selecção, esta realizou, ontem à tarde, no campo do Costa do Sol, mais uma sessão semanal, sob condução de Miguel Chau, uma vez que Mart Nooij se encontra em Portugal, integrado na comitiva que tomou parte nos Jogos da Lusofonia. A sessão consistiu numa partida contra os “Mambinhas” Sub-23, que também se preparam para um torneio no Brasil, em Setembro.

“ESTOU no Costa do Sol para melhorar os meus níveis de jogo, este é o sentimento do médio-ofensivo, Ruben.
Tratou-se de um encontro essencialmente moderado, mas nalgumas vezes puxado, até porque o técnico Miguel Chau exigia dos atletas mais aplicação. A espaços, interrompia o desenrolar do jogo para corrigir determinados lances, tendo como pano de fundo cimentar o entrosamento no seio do conjunto. Para o público, as jogadas de maior relevância não escapavam aos aplausos, facto que também motivava os próprios jogadores.

Do lado da turma principal, presentes estiveram os guarda-redes Lamá e Antoninho, os defesas Campira, Fanuel, Tony, Whisky, Faife e Mambo; os intermediários Maurício, Danito Parruque, Momed Hagy, Carlitos, Alvarito e Nelinho; e os avançados Josimar, Ruben, Jerry e Luís. Nos Sub-23, destaque para o guarda-redes Binó, assim como para Mexer, Mustafá, Sonito e Nelsinho.

JERRY: GOLOS NO HORIZONTE

Torneio da COSAFA : Sub-20 a caminho da RAS(C.Bila)
Depois da súplica popular, Mart Nooij, desta vez, não fez ouvidos de mercador e decidiu mesmo convocar para os Mambas o actual abono de família do Ferroviário, o jovem atacante Jerry. Naturalmente satisfeito pelo reconhecimento, afirma-se devidamente integrado na equipa, até porque, segundo sustenta, para além dos seus colegas nos campeões nacionais encontrou um ambiente saudável e que lhe ajuda a sentir-se em casa, parafraseando-o.

“Golos? Bom, isso é o que vamos ver. Sei e reconheço que a minha chamada para a selecção tem muito a ver com os golos que venho marcando pelo Ferroviário, daí a expectativa que se cria em meu redor. Caso seja chamado a jogar, outra coisa não farei senão de facto marcar golos. Essa é a verdadeira função de um ponta-de-lança e eu, nesse aspecto, tenho sido feliz”.

Alexandre Zandamela